Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

15
Dez22

S.JOÃO DO DESERTO, a FUNDAÇÃO e a CÂMARA


Peter

dodeserto.jpg

 A ermida de S.João do Deserto património da UNESCO?

Sabendo nós que o municipio da Mealhada está politicamente entregue aos craques da Pampilhosa do Botão , apresentamos uma fotografia da ermida de S.João do Deserto , na Mata Nacional do Bussaco, representativa do excelente trabalho que vem sendo feito  naquela floresta publica. A imagem diz muito do trabalho levado a  cabo e parece a porta aberta para o património da UNESCO, num ano em que a Mata não ardeu por mero acaso. Como não havia ninguém da freguesia do Luso entendido na matéria nem com formação superior em florestas e conhecimento  profundo do património e da história, coisa que não procuraram saber, resolveram pescar um craque  na dita Pampilhosa do Botão , até um ano antes  do fim do mandato anterior, tirando ou roubando o lugar a jovens licenciados que bem precisariam dele. Por fim, andam a preparar a tranferência do Centro de Saúde do Luso para a mesma Pampilhosa do Botão, quem sabe se a próxima grande cidade concelhia.  Se olharmos para o orçamento do próximo ano acabado de aprovar, a  mesma Pampilhosa do Botão, que acabou de ser beneficiada com um discutivel mercado municipal de milhões de euros, tal como a Mealhada, está de novo contemplada com dois milhões de euros , fora os trocos, para reerguer uma velha albergaria que não vai servir para nada em termos do território, talvez  surja apenas face ao fracasso do estratégico by pass ferroviário que nunca vai ser feito. Tal como o campo de golf projetado para um lugar errado, os craques continuam a levar investimentos patéticos para a sua freguesia, sem qualquer consideração pelo resto do território concelhio, sobretudo por aquele que oferece recursos evidentes. Os mesmos craques da Pampilhosa do Botão , já se esqueceram do  bonus que perderam na construção do centro de estágios do Luso, em principio por pura distração , mas enfiaram a viola no saco e nem xus nem mus. Politicamente, os paroquianos do elenco municipal não sabem o que andam a fazer, gastando o orçamento pela mão de mordomias politicas que não largam o poder. No dito orçamento, a freguesia do Luso, além do acabamento duma obra que fazia parte do centro de estágios inicial, não leva nada neste mandato, o mesmo que levou em três mandatos anteriores, para além duma retrete publica na principal entrada do parque do Lago e dum parque de estacionamento fora do sitio adequado, por isso sempre vazio e de dificil acesso. São o espelho da intencionalidade desta gestão de craques, pouco preocupados com o desenvolvimento e o investimento reprodutivo no concelho.  Este abandono do Luso Bussaco turistico é  vergonhoso com um apagamento consecutivo de investimentos vários e a falta de dialogo permanente com os agentes locais da respectiva atividade, a hotelaria e o turismo. A casa de turismo construida na Mealhada faz parte deste estratagema filoménico de destruir as termas, ao que se alia  a falta da prometida piscina do parque de campismo,  a não recuperação da sala de espectaculos, o velho teatro avenida, que  continuando na saga da sua queda natural, parede após parede,  não vai durar muito tempo mais, ou o antigo centro de saude, a casa da Miralinda que sem proprietário conhecido, vai cair igualmente pedra a pedra, ou umas obras de reabilitação da zona central que há meia duzia de anos não acabam, bem como o próprio parque do Lago , quatro anos fechado.  Tudo isto e uma Mata  Nacional que querem desagregar da freguesia e que felizmente não tem rodas para levar para outro lado, mas tem servido bem alguns empregos. Além de um Palácio Hotel do Bussaco, a primeira unidade da sua categoria registada no turismo de Portugal no principio do século passado e que pretendem destruir através da ignorância com que tratam os assuntos. Não se pode pedir á curiosidade  o dom da sabedoria, sobretudo a quem nunca passou pela obra que tem na mão. Se fosse futebol, sim.

dodeserto1.jpg

 O telhado a ceu aberto para se ver do satélite???

O executivo paroquiano ano da Mealhada, se tivesse respeito e dignidade parente o cidadão comum e perante o cidadão investidor,  teria por obrigação primeira ter uma estratégia de actuação em muitas areas da actividade turistica , uma estratégia aberta a´comunidade interessada, no sentido de recuperar o tempo perdido com soluções  pensadas, discutidas e  atuais, levadas a cabo num plano estratégico com metas e com prazos. Meter no orçamento anual o fantasioso Luso 2007 que os craques  fizeram para serem embalados como crianças de colo, se não existirem outros motivos, é brincar com a freguesia e com um concelho , tão pequeno de estensão como de ideias. Para o Luso e para o turismo, este orçamento de facto é um  zero absoluto, que mais uma vez  defrauda a freguesia , o concelho, a população e o património. Património que a existir no municipio é na freguesia do Luso, em dezenas de estruturas a necessitar de ressurreição com um programa publico/privado adequado. È para o que servem as bazucas a quem sabe disparar. Enquanto isso, os craques investem no choradinho dum obsoleto traste imobiliário  que nem inglês que ver e procuram apagar do mapa do país o Luso/Bussaco, uma marca duas vezes centenária que deve ser respeitada e não vilipendiada , como está a acontecer. Um municipio que não respeita os seus valores, digamos em boa verdade que não os fez mas foram parar-lhe á mão, não tem grande legitimidade para lhe comer os frutos. As paróquias acabaram hà muitos anos e os morgados e craques deste território de duas dezenas de almas, já mostraram  suficientes fracassos  nas estratégias balofas dos seus reinados. A Cãmara não é propriamente um rancho folclórico (com o devido respeito) nem  uma mercearia com um mercieiro á porta.   É preciso mudar os tempos , e numa terra de cozinhas, ir buscar bons cozinheiros.                     

19
Mai21

BUÇACO VOLTA AO DONO


Peter

DSC_3870.JPG

Depois de 12 anos da leviana aventura que levou a Mata Nacional do Buçaco ao estado  pouco digno em que hoje se encontra, pelas mãos  e pelo dinheiro dos municipes do concelho da Mealhada, o Dec-Lei nº 35/2021 de 18 de Maio, coloca a Fundação nas mãos do Estado , através de um responsavel da area das florestas que vai presidir em exclusividade aos seus destinos. Durante a última duzia de anos na mão da Câmara da Mealhada, a Mata  e o seu património sofreu uma degradação constante e hoje encontra-se  num estado pouco digno, a necessitar de uma gestão profissionalizada e competente, capaz de reencaminhar o acervo do perimetro florestal  para uma proposta séria de património mundial, situação hoje longe de se verificar.

É verdade que vale mais tarde que nunca, mas  foi exagerado o tempo que se passou em brincadeiras romarias , e festejos, levados a cabo por curiosos de partidarites abusivas. Neste blog, sempre denunciamos  o erro  dum ataque irresponsavel ao património botânico, ao património construido,  ao acervo religioso e ambiental.O Buçaco é um templo e um museu, não um terreiro de feirantes ou pisadores  do vegetal, como vem acontecendo. Com um concelho directivo formado pela área das florestas a nivel nacional, e três vogais  por inerência  ao nivel do Instituto do Turismo de Portugal, do Instituto de Conservação da Natureza e do Património Cultural deste país, e finalmente pelo presidente da autarquia,  estamos certos que o Buçaco  pode avançar por uma gestão profissionalizada e cientifica , podendo em prazo razoavel  ser património da Unesco, um desejo expresso publicamente há mais de 25 anos, pela Junta de Turismo Luso Buçaco, um orgão entretanto extinto e que faz falta  bastante falta ,na área do turismo local . Fazemos votos para que a Fundação , limados os estatutos, leve o recurso botânico, turistico , termal e hoteleiro a melhor porto.

 

21
Abr21

PAU PARA TODA A COLHER


Peter

carrada.jpg

  O ESTRANHO ABORTO  AFUNDATIVO

                                  UM PAU PARA TODA A COLHER

Por recente noticia  soubemos que a Destilaria da EX Junta Nacional do Vinho( falecida) foi entregue á Fundação Bussaco pela edilidade mealhadense , por ordem expressa do  edil presidente. Perante duvidas da oposição, afirmou em assembleia estar-se marinbando para a vox populi  ,  que são entre eleitores o eu também. Para lá da pouca educação e anti-democracia no areopago municipal,  o senhor edil, que veio das berças de Valongo para a serra do Bussaco, nada percebe da Mata  Nacional, pois a leva em continua destruição desde que tomou posse nesta terra. A  vox populi alçou-o ao poleiro da politica  onde se agarrou com unhas e dentes, por mor  de alguns atos menos claros, como foi o de Isabel, que não a rainha santa, mas outra, que numa noite perdeu as eleições por artes do diabo consumadas. Deduz-se que a dita Afundação é pau para toda a colher. Há poucos meses  deu consultadoria á mulher por  dois mil e quinhentos euros mensais, antes aboletou em recibos verdes o assessor que nunca sendo empregado, aboletou em chefe de divisão, no verão passado ensaiou o fecho do Palace Hotel do Bussaco (?), recentemente entregou a administração da afundação ao seu vice presidente autárquico, que parece, colaborou no xiqueiro politico partidário  do concelho. Quando for escolhido o novo presidente já escolhido, hão-de acarretar para votos em viaturas próprias, os militantes, que  apenas por curiosidade, nunca mais foram ouvidos depois do voto  derradeiro, nas ultimas autárquicas.Neste jogo democrático de mentes obtusas que esta demo-cracia proporciona, há compras extraordináriamente incompreensiveis, inclusive a amigos, que é dita em calinadas pontuais, perante um acervo de redes interessadas  num Portugal vazio , quanto mais esvaziado mais propício.

Aqui fica o aconchego á Fundação Bussaco, uma Mata Afundada pelas administrações  publico-privadas, com curiosos escolhidos a dedo, mas privadas de todo, com rendimentos médios triplicados em relação aos velhos e profissionais engenheiros florestais, que administavam pelo Ministério da Agricultura com processos cientificos, os 105 hectares de todo o termo . Podia-se ver e visitar no brinco da sua qualidade sem pagar um tostão, um património publico. Hoje, pagando em euros a entrada, basta sair de dois ou três cenários preparados,  para encontrar a lastima e ruina de todo o parque botânico O mesmo cumprimento que os edis deram às termas, minguando-as, sofre a Mata Nacional do Bussaco nas mãos dum diminuto municipio de curiosos obreiros da desgraça. Livres de responsabilidades , imunes ás asneiras, esquecidos pelo dono, o Estado Português. Fundações programadas para receber clientes que vindos das unhas da politica desde o berço, nada sabem fazer. Faz-se-lhes então a cama, normalmente com penas de pavão ! 

09
Out19

 A FREGUESIA DE LUSO E A TRISTE CÂMARA


Peter

ffris.jpg

D ois anos depois da queda de uma dúzia de metros cúbicos de terra na barreira da Quinta do Alberto, a Câmara retirou os emplastros de cimento que anularam durante duas épocas os estacionamentos da sala de visitas das Termas, no centro do Luso, o que provocou inúmeros prejuízos a toda a gente. A “inauguração “aconteceu no dia 30 de Agosto e esta sala que já foi do município, voltou agora á mesma normalidade, após a triste figura da autarquia e da universidade que, consta, se envolveu no complexo estudo. As ciclópicas obras acabaram de vez, apesar de tudo ter ficado na mesma. Nem mais um metro quadrado, um posto para estacionar, um candeeiro de iluminação, um banco ou um caixote do lixo. Mais nada. O zero absoluto produzido pela política com 140 mil euros, uma pequena fatia do que recebe anualmente a autarquia das Águas de Luso, quantia que caberia à freguesia das termas e ao seu desenvolvimento usufruir.

Já disse aqui que na mão dum ex-presidente de Junta de Freguesia, a limpeza do local não demoraria mais de um, dois dias, mas a gestão camarária demorou dois anos e recuperar morro e praça, sem olhar, minimamente, aos interesses da terra ou aos desejos da gente. Um centro termal que já foi do município, merecia melhor tratamento que uma barreira de estradão e uma rede de pesca, merecia sim um enquadramento urbano adequado. Disto porem, a triste Câmara tem nenhuma consciência, o que a leva a tratar o território sem respeito pelas pessoas e pela atividade que pode criar riqueza para o concelho. E vejamos o rol das distrações e incapacidades.

No caso das Termas, reduzidas a Spa de um hotel, a autarquia coloca-se ao lado da unidade hoteleira das águas e esquece os outros agentes locais ou as pessoas que teimam e subsistem na área. Colaborou, é preciso relembrar, na redução das termas para 500 metros quadrados e com a venda do balneário de segunda, reduzindo a área termal a pouco mais que nada., em paralelo com o aval à deslocação do engarrafamento e sede para fora do Luso, sem qualquer contrapartida, como se vê agora. Outras verdades são que a autarquia nunca levantou a voz em defesa do termalismo, embora as termas tenham sido impulsionadas por dois grandes mealhadenses, Costa Simões e Messias Batista. A Câmara nada disse pelo fecho dos correios, nada fez por estudos conducentes á recuperação ou reconversão das velhas pensões, pelo aproveitamento da linha de água e do núcleo de moinhos de Carpinteiros, o maior do país, pelo problema da falta de estacionamento crónico e o lago, destruído há dois anos, continua destruído. O cinema, sem teto e a céu aberto ou a casa da Miralinda, ex-casa do Povo, a ruir, são fotografias tristes da inocuidade autárquica, em termos políticos, uma avestruz festeira de cabeça enfiada em areias movediças. Uma pequena piscina no parque de campismo, prometida e nunca feita, continua em promessa, e o fabuloso parque industrial de Barrô, uma aldrabice arquivada. E não esqueçamos a ridícula tentativa de fechar o Palace Hotel do Bussaco levada a efeito pela Câmara e pela sua presidência., uma obra de arte da imbecilidade da politica!

Acrescentemos a Mata Nacional e o estado de abandono a que está votada por uma fundação de família partidária, e teremos a imagem indecorosa da maneira como Estado e Câmara encaram património do País. A classificação pela Unesco está longe e o negócio em que transformaram o templo botânico que era a Mata Nacional, arrasa árvores espalhadas pelos 105 hectares da Cerca, acácias, silvados e vegetação vária que invade espaços e interrompe caminhos e veredas, uma lástima vergonhosa e suja. Se a Câmara queria destruir o ativo botânico, A Mata Nacional, conseguiu-o, duma forma incompetente e irresponsável. Basta um passeio pela Cerca Buçaquina para tomar consciência da “barraca” de tiro ao alvo em que transformaram o espaço. A floresta que chegou a ser a menina dos olhos do Ministério da Agricultura é hoje um triste retrato do que foi. Nem Governos, nem a autarquia, um pigmeu em bicos de pé , estão de fora do descalabro ou da incapacidade no que toca ao Buçaco. Basta dar um passeio pela floresta e verificar o -abandono em que se encontra. O estado da Mata Nacional, que foi um dia joia da coroa do Ministério da Agricultura, é hoje uma vergonhosa obra de políticos que se desresponsabilizaram a favor de autarquias e seus polvos tentaculares. A freguesia do Luso vem sendo delapidada inconscientemente por uma gestão municipal que não está á altura de preservar os bens que tem, quer na sua manutenção, quer no desenvolvimento das suas potencialidades.

Luso, Setembro, 2019

.,

03
Abr19

BURRICADA


Peter

Burricada 1906 estu..jpg

E sta fotografia data de 1906, tem 113 anos de existência e representa uma

burricada ao Buçaco levada a efeito por estudantes da Universidade de Coimbra

a convite do Conde do Ameal, tendo feito as refeições em sua casa.

O palace Hotel estava na fase final da construção.

27
Out17

CARACOL RAIADO


Peter

DSC_0910.JPG

Esta espécie de caracol raiado é originário da 

serra do Buçaco e tem apontamentos  que 

indiciam constante itenerância pelos meandros

dos  ribeiros e outros cursos de água que

descem da montanha.

Outra caracteristica inerente a esta 

variedade é a velocidade , muito mais lenta

que a do caracol normal a que se pode associar

uma  motorização antiga e pouco ágil que exige

mudanças de ólio permanente e entope o 

carborador com facilidade.

Consome demasiado  combustivel e o tubo

de escape nãoconsegue controlar nem gazes

nem decibeis.

A raça parece ter-se espalhado pela serra e

pela mata e fica cara a quem o ter que sustentar,

normalmente pessoas afectas á sociedade e ao

ambiente.No entanto é um belo e garboso

caracol que não fazendo nada consequente

não tem tido consequências. Nem boas, nem

más , apenas  condizentes com a velocidade

reduzida da sua locomoção embora pareça

perito em automobilismo.

Aqui fica um boneco tirado no local.

 

 

09
Set17

A CERCA


Peter

DSCN5102[1].JPG

O muro da Cerca  do Buçaco passa por ali algures

entre a  Mata Nacional e os eucaliptos dos privados...

já no exterior do parque...

Mas por onde???

Não há por aí uma entidade pomposa chamada

de proteção civil ?

Qual será o seu papel????

Tudo indica, ver arder...

30
Ago17

CAPELA DE S.ANTÃO


Peter

S.Antão.jpg

Mata Nacional do Buçaco, a vereda de acesso ao

miradouro capela de S.Antão. É preciso pedir licença

aos catos para passar. Belo trabalho da afundação

numa Mata Nacional  onde o fogo pode entrar 

em qualquer altura por falta de limpeza na Mata.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub