Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

16
Jan19

PALACE HOTEL UMA HISTÓRIA DOS DIABOS

Peter

O APITO  FECHA HOTEIS  OU AS AVENTURAS

DUM AUTARCA EM FIM DE VALIDADE

buçaco neve1.jpg

Não, afinal o Hotel do Buçaco não fechou. Foi condenado mas não fechou. Condenado por várias  suspeitas, foras da lei, indios, agentes do mal, tudo isto presumido  pela voz dum senhor edil,  casualmente presidente da Câmara da Mealhada, ao entender que um sensor avariado que não apitava devidamente  era uma gravissima ameaça ao funcionamento do hotel. Como tal o hotel fecha-se. Aliás já fez várias tentativas para o fechar Se lerem as atas da autarquia pela voz presidencial, é isto que diz,  o estado gravissimo da central de fogos que um coronel em Aveiro resolveu substituindo um censor. Foi necessário ir a Aveiro e a  um coronel da proteção civil para mandar mudar o censor. Aliás foi preciso o presidente  pressionar o coronel presidente como fazia a saudosa Ivone Silva quando era Olivia criada ou era Olívia patroa. O que aconteceu foi isto e não a trama urdida por um casual presidente duma câmara que gere  duma forma aberrante e autoritária um património do Estado que lhe foi cedido por Sócrates através duma fundação amigável para entreter uns clientes políticos. Não o Sócrates grego que era sério. Pela mesma câmara com que a fundação pedala utilizando o dinheiro de todos munícipes para gastar no que não lhe pertence deixando ruir os bens próprios.  Esta incapacidade e incompetência à vista, é o resultado de anos de trabalho inglório , nada avançou no espectro geral do território , nem economicamente, nem em condições de vida, nem em empregos conseguidos , nem em riqueza criada, desenvolvimento , investimento. Nada que tenha tido influência no panorama geral do concelho.Em obras de vulto, apenas se regista o aumento da Etar, em asneiras de vulto compra-se sucata imobiliária, engendra-se um suposto museu para comprar uma quinta  de ex-camaradas cujo investimento paranoico de 2,5 milhões de euros pode criar na melhor das hipóteses dois empregos , uma conservadora e uma empregada. Que diabo de gestores são estes num país á beira da falência ? Há gente por menos em manicómios...

buçaco foto.bmp

Esta compra ou negócio deixa em aberto muita especulação, primeiro porque  não faz sentido, segundo porque cheira a compadrios políticos, oxalá seja só cheiro,  terceiro a carga financeira vai cair num próximo executivo que, a não serem os fracos exemplares que nos governam  , serão alguém que vai engolir o sapo. Isto não é feito por acaso e não se faz, é sujo e pensado para que, sejam quais forem os resultados eleitorais, a autarquia eleita a seguir fique presa ao pagamento deste disparate. Se for jeito e meter luvas,  coisa em que não acredito, ficam as contas saldadas para quem sai , e que se amanhe quem vier .Se era jeito foi feito a contento, se o não era, paga o Zé a maluqueira! De qualquer modo em política séria isto não se faz em vésperas de eleições, é uma forma de corrupção encapotada, entre políticos  de pouco senso e pouco respeito pelos vindouros. Ou nenhum senso. Outras asneiras de vulto são os megalomaníacos mercados em Pampilhosa e Mealhada quando o ciclo dos mercados passa exatamente pelo contrário, pelas áreas comerciais de média dimensão ao alcance dos privados que vão alargando a sua zona de influência até conquistarem por completo o mercado. Os da autarquia são investimentos vultosos e ruinosos  que no fim vão ser inúteis motivados por ignorância ou outras razões que eventualmente o tempo nos venha a mostrar e vão custar 4 milhões  de euros! E há um desinvestimento importante na área do turismo, com a transferência dos respectivos serviços do Luso para a Mealhada e a destruição dum património centenário , a marca Luso-Buçaco. Se tivéssemos uma Junta de freguesia independente e com capacidade financeira, este assunto poderia e deveria ser discutido em tribunal, pois a Câmara não tem o direito de retirar a uma freguesia aquilo que quer e porque lhe apetece, tal como fez o fascista  Manuel Lousada quando em 1955 roubou a fonte á freguesia do Luso sem ter legitimidade para tal. Legalmente, a fonte pertence ainda á freguesia do Luso, é sua propriedade como sempre foi desde que há notícia histórica, primeiro da Vacariça, depois do Luso. Da Câmara nunca foi , foi simplesmente roubada por um acto do fascismo ainda por remir. Mas aí, estou convencido que um dia  uma Câmara honesta e séria reporá a ilegitimidade e ressarcirá a freguesia da água que anos e anos utilizou como sua receita própria. Essa água tem que ser paga á freguesia com a restituição do bem. Se assim não for viveremos num covil o que não não se pode permitir que seja o caso num país de direito democrático.

Face a este intróito, e voltando ao problema  do Palace Hotel do Buçaco , o que fez a Câmara face ao sensor que deixou de apitar ? Moveu este mundo e o outro para fechar o hotel com ofícios assinados pelo presidente  que nas duas Assembleias municipais seguintes defendeu que não foi ele.Teve o azar de nos passar á mão a correspondência que escreveu e assinou exactamente a pedir uma rápida vistoria e o fecho da unidade hoteleira. A suposta imprensa da região não diz nada porque estão dependentes das câmaras na sua sobrevivência, louvam-lhes os atos  mas não os desacatos. A começar pelo "calino" o Diário de Coimbra que a partir daquela cidade deveria liderar a informação regional com isenção e verdade mas faz como todos os outros para sobreviver. Aquele diário, só vale por alguns textos de opinião entre eles os do ex-candidato a presidente da República Henrique Neto, um homem lúcido e conhecedor que aponta sem hesitações muitos dos cancros que comem este país. De resto, o cenário desta imprensa passa pela mesma mama do Estado por que passam inúmeras entidades existentes e não existentes neste país. Onde começa e acaba o Estado nunca se sabe.

O que escrevo está á vista, quem tiver dúvidas sobe a serra, entra na Mata  Nacional e verifica pelos seus olhos como ela está. Se é um velho amante daquele espaço não vá, tem uma desilusão, é que a  Mata do Buçaco nunca esteve num estado tão lastimoso como agora, a fundação não fez nada em prol do espaço, não fez nem sabe fazer a não ser umas brincadeiras para enganar os tolos. Ao escrever isto podem pensar que estou a exagerar, mas não, não estou. Nasci aqui, fui dez anos administrador delegado da Junta de Turismo na área   abrangida pela   Mata, trinta e cinco anos membro da assembleia municipal , oito anos vereador da câmara, sei do que falo, sei o que digo. E tenho amor á terra onde nasci. Quanto aos gestores envolvidos na Mata Nacional tenho pena que nenhum seja deste concelho , são gente escolhida a dedo que ninguém conhece, filhos e enteados dos partidos, estão cá de promessa pelo dinheiro que ganham , não por amor a um chão que não é o deles. É que afinal, nem o presidente da Câmara nasceu neste concelho!  

Mesmo assim, o poderoso autarca utiliza um lápis pior  que o lápis azul da censura pidesca para fechar o hotel, o hotel registado com o número um dos hoteis de Portugal, conhecido na Europa e no Mundo , coisa que ele não sabe sequer . E ao exigir o fecho esqueceu-se dos quarenta funcionários altamente especializados que tem a unidade hoteleira.  Na sua leviandade e irresponsabilidade política chama-lhe amor ao Luso e ao Buçaco, por isso  mandou tão rapidamente fechar levando atrás de si as 40 famílias que são gente, não robots. Mandou-os simplesmente para a rua , a eles e às famílias. É um acto político intolerável, impensável , irresponsável , sujo, talvez a precisar de medicina preventiva na área psicológica. O seu objectivo  é retirar  a concessão ao Estado e entrega-la á fundação.

tocha 2011 007.JPG

Ainda em relação ao Buçaco, o que deveria preocupar o sujeito é a próxima catástrofe que está á vista e vai acontecer e que será o aluimento das estradas  que percorrem o interior da cerca. Basta conhecer um mínimo do Buçaco para , olhando para os paralelos das vias acertar no prognóstico, fruto duma actuação ignorante  e desenquadrada da fundação , que não conhece e nem quer conhecer uma regra simples que vem há séculos da Ordem Carmelita dos Descalços desde que plantaram a Mata . Todos os funcionários florestais a sabiam e seguiam , foi o ABC da Mata Nacional até que uns engenheiros de cordel vindos de Aveiro a quiseram ignorar e o resultado está á vista, até as estradas vão ruir  a curto prazo. A verdade é que o Buçaco nunca escapou aos efeitos das mais variadas espécies de temporais, tempestades, ventos, ciclones, o mais pesado de todos nos meados do século passado que lhe colocou meia floresta no chão, mas outra verdade insofismável é que sobreviveu a todas e de todos regenerou em tempo record, em meia dúzia de anos a mancha florestal retomava o antigo porte e vigor. Agora , os oportunistas políticos , talvez néscios e ignorantes do que seja a mata e o seu comportamento, transformaram a  recuperação num tacho crónico que os partidos políticos utilizam para satisfazer clientelas e para ganhar importância mesmo com patrimônio alheio como é o caso da Mata do Buçaco , um património nacional onde o Estado não investe um tostão que seja porque entregou essa responsabilidade ao cidadão munícipe da Mealhada. E só um exemplo para mostrar o anacrônico sistema. Eu e muitos vizinhos temos de passar numa rua da urbe  com 300 metros entre muros sem qualquer defesa ou proteção e sem uma margem pedonal onde possamos caminhar com alguma segurança.Desviamo-nos das viaturas ligeiras e pesadas quando se cruzam na estrada passando a escassos centímetros do cidadão a toda a velocidade.  A Câmara da Mealhada não tem dinheiro para construir uma passagem pedonal, mas tem centenas de milhões de euros para gastar na Mata Nacional do Buçaco que não lhe pertence. É a única Câmara deste país onde o estranho fenômeno acontece pois ninguém quis tamanha responsabilidade, a exceção é este grupo de “Chicos” da política , a autarquia e os seus  autarcas gastam no que é dos outros "roubando" recursos aos municipes para gastar no património alheio ? Terão esse direito ? Não haverá gente nos manicômios por ideias melhores? Não lhes quero chamar "grunhos" como faz Pacheco Pereira em relação aos rapazinhos da bola, mas Chicos é o termo, aportuguesando as coisas.

Não fosse uma providência cautelar interposta pelo concessionário do hotel e as cautelas demonstradas pelo coronel em Aveiro e mais uma desgraça era despejada pela própria  câmara sobre o concelho e a freguesia do Luso, frequesia que francamente já não sabemos se faz parte do território municipal ou não , tão abandonada está pelo orgão municipal que não tem feito outra coisa senão juntar á destruição da  Mata Nacional á destruição das Termas do Luso, sem demonstrar qualquer capacidade, estratégia ou interesse na sua defesa. o Executivo camarário é um orgão morto , uma espécie de mordomia á antiga portuguesa para organizar umas festas , folguedos, foguetórios. Sem ideias, sem criatividade, sem racionalidade e sem democracia.

E a  maior tragédia  reside no facto de eu estar a falar verdade. Antes tudo fosse uma mentira   engendrada pela minha pessoa á procura de algum provento ou galão, mas não, eu não  procuro nada pessoalmente, tudo isto é a realidade dos dias de hoje , as Termas morreram, na outrora freguesia que proporciona mais empregos hoje não há um ganha pão sequer para os seus filhos. Não os meus, esses já tiveram de abandonar o país para sobreviver, mas para os filhos e netos de quem ainda vive e luta pela sobrevivência. Por isso não me inibo de dizer que temos um executivo camarário que não presta, não tem capacidade nem conhecimentos para gerir o concelho, apesar de pequeno e com algumas potencialidades que devem ser identificados, pensadas,  estudadas e desenvolvidas. Sem pensar em votos e tachos , mas com nobreza de princípios e honestidade de meios, Isso, na minha modesta opinião , não existe hoje no município. Muito do 25 de Abril não se cumpriu e se o cidadão não repensar o chão que pisa na busca dum futuro diferente, mais equitativo, mais solidário e livre, não sai deste cais de lama.E devemos fixar nas nossas mentes que os políticos estão ao nosso serviço, não somos nós que estamos ao serviço deles. Sem cidadão não há políticos.

Finalmente quanto ao Palace Hotel, louve-se o bom senso da proteção civil distrital bem como o sentido da responsabilidade demonstrada pelo concessionário Alexandre Almeida que com uma providência cautelar evitou o fecho da unidade hoteleira. Teve o respeito, a dignidade e  sentido do dever que a autarquia não teve , ao optar pelo despejo como se as pessoas fossem cães e os seus filhos  cadelas, sem levar em consideração a vida dos seus munícipes nem as dificuldades que , uma vez fechada a unidade hoteleira, terá em reabrir percorrendo a via sacra  de burocracias  que um monumento nacional tem que percorrer para voltar a abrir ao público. Com um caminho destes aberto a golpes de mão, podem os munícipes estar certos que o precipício não demora. SE houvesse alguma seriedade e vergonha nestes comedores de partidos renegociavam com  o Estado a entrega do património , pois é a esse Estado e não aos municipes da Mealhada que cabe pagar o pato.  

Se fosse num país PAÍS  o presidente demitia-se , nem o poder central nem o cidadão local lhe dava mais hipoteses . A solução seria demitir-se, não só pelos actos em si mas por mentir negando o que assinou à Assembleia Municipal, sem qualquer respeito pelo cidadão eleitor e perante  o silencio ruidoso duma maioria que não abriu a boca.  Convenhamos que em politica não vale tudo, os sobas africanos acabaram e as oposições devem ser claramente informadas dos actos que o poder pratica. Inclusivamente , como diz a lei, informando sobre o que faz  á verba anual de cerca de 400 milhões de euros que recebe das àguas do Luso ou de qualquer outro orgão onde  a câmara tem interesses. Faço votos para que ninguém se  aleije um dia  por coisas como estas que venham a terreiro de algum modo. 

Aqui , neste rincão  de sol ocidental onde se pede a  um"inocente" o favor de ir para a prisão pelo seu pé  para   cumprir uma pena avalizada por doze juízes, isso não acontece, não existem demissões. Por isso eu peço perdão por escrever tanta verdade e  digo ao cidadão para abrir os olhos , sobretudo os novos não se deixem embalar nesta teia de mentiras. É preciso pensar mais e construir cidadania em cada um de nós. 

(nota: as fotografias são dum Buçaco antigo, nada tem a ver com o actual)

 

02
Fev17

ALICE

Peter

  ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

 028.JPG

Caro Presidente, estamos a chegar ao fim de um mandato a zeros. Zero de dívidas, zero de obras, zero de ideias, zero de crescimento. A meu ver, melhor seria dever o que se pode pagar com respeito pelas regras estabelecidas e ter feito alguma coisa. A gestão moderna não se faz sem o recurso ao crédito e a não utilização dessa ferramenta fundamental é mais passível de críticas que de elogios. Teria sido melhor para o território, melhor para o município, melhor para o emprego, melhor para o bem-estar, melhor para as pessoas aproveitar a realidade sem a patetice da dívida! Mas isso não aconteceu, o que de facto aconteceu foi o estagnar do concelho em edis a tempo inteiro, não sabemos quantos assessores e mais uns avençados que a pouca transparência política não deixa perceber. Uma hierarquia tão grande vista pela vez primeira no executivo da Mealhada para fazer zero, é muito mau, e assim se desperdiça o mandato em coisa nenhuma.

Este não é o caminho certo, caro Presidente. Pode ser a via da clientela que a partidarite quer ou a oportuna via que os votos anunciam, mas não é o caminho correcto para num concelho pequeno, carente e acrítico que precisa, ou precisava, dum executivo inteligente e activo e duma estratégia viva e ousada para visionar e empurrar um futuro. Tive a ousadia de pensar isso acreditando que a experiência adquirida lhe tivesse trazido confiança e iniciativa, hoje não ficaria bem comigo próprio nem perante os leitores se não corrigisse nestes maus resultados as previsões iniciais totalmente furadas.

O zero verificado é o fruto maduro duma acomodação politica não prevista nos dados da balança, um erro meu, não via então este concelho na paz podre em que vive quatro anos volvidos. Parado, inerte, incapaz, ancorado em fanfarronices balofas, com uma frota politica á espera do emprego numa terceira ou quarta volta mesmo sem o crédito duma carta de alforria. Digerindo azedas maravilhas de jantares politiqueiros, propagandas gratuitas, festinhas, futebóis e crismas de paróquia e zero de trabalho. Trabalho árduo não houve, medidas inteligentes também não, mal andariam os empresários se estivessem á espera do demagógico acto da política para fazer os negócios da venda do vinho e do leitão, já que a história da água é outra coisa e o pão, viste-o! Mas é tudo uma farsa da política assente na ruina dum passado comum que não diz nada, que não merece respeito nem continuação para ocupantes da conjuntural cadeira do poder.

As velhas estratégias que aguardam há duas décadas execução, um golfe, o nó rodoferroviário, os parques industriais de Barcouço e de Barrô, além desse pomposo Luso 2007, foram substituídos pela compra de lixo imobiliário onde a autarquia se especializa na criação de ratos e, na área de maior potencialidade do concelho, o Turismo, voltamos cem anos atrás com o arremedo de termas que hoje existe, mil e tal quartos a menos e outros disparates em que o município se envolveu na defesa do poder económico do capital que ironicamente nem temos, esquecendo os verdadeiros interesses das populações, dos empresários e investidores, bem como a herança de duas centenas de anos que recebemos de mão beijada. A gestão da última década, caro presidente, foi o desastre que está á vista. Nada acrescentou ao todo municipal, manteve apagado o fogo em todas as freguesias e continuou a tarefa de destruir irresponsavelmente a hotelaria e o turismo que tinham notório peso dentro dos nossos limites e mantinham postos de trabalho na freguesia termal, na qual está hoje claramente evidente o especial zelo político na sua liquidação e a total incapacidade para a defender. O contrário do que fazem todos os municípios por Portugal além! Porquê, pergunta-se? Querem transferir a freguesia  para onde?

Uma catástrofe abalizada por autarcas incapacitados ou intencionais? Os resultados á vista  são absolutamente contrários  aos interesses do território que ocupamos !

Talvez por não ser natural do concelho lhe falte o saber acumulado ao longo dos anos em muitas das pessoas que daqui são, que aqui moram ou daqui se espalharam mundo fora com a universidade da vida no bolso curricular, o trabalho, o saber e a necessidade de sobreviver nos alforges de famílias inteiras. Podíamos fazer um rol de gente daqui e de concelhos vizinhos, mas de nada valeria, nunca os conheceu, não os conhece, não são propriamente a sua história e muito menos a sua alma. Porém sem erros aritméticos eu refiro-lhe de forma concreta que neste município existiram mais de mil e quinhentas camas de hotelaria, freguesia do Luso incluída, e hoje, incluído o seu tempo de autarca no activo, destruíram-se, e não existirão mais que duzentos ou trezentos contando com as camas casuais ou camas de horas. Esta realidade, que naturalmente não lhe pesa, espelha a diferença que existe entre quem viveu a história, participou da história e aprendeu na história e quem pouco sabe sobre o que se passa á sua volta, particularmente nesse mundo relativamente recente e rico, a que damos o nome de turismo.

Nesta matéria, o que a política da Câmara tem andado a fazer são asneiras, tão ocas e tão vazias como os almoços leitoeiros das maravilhas onde pretensiosamente pretende meter o Buçaco como se o Buçaco fosse mais uma maravilha da mesa e dos banquetes. Além de não se comer nem beber, noutros tempos apenas os burros o faziam, o Buçaco é conhecido em todo o mundo há muito tempo e não é a Mealhada das maravilhas que o vai colocar no mapa mas exactamente o contrário caro Presidente. O Buçaco e as Termas sempre deram notoriedade ao município e são ainda hoje a sua potencial riqueza maior e o seu único destino conhecido além desse repasto a que se chama leitão. O meu caro amigo não entendeu ainda estas coisas comezinhas! Se o entendesse não fazia da Mata Nacional a barraca de farturas que anda a fomentar, zelava pela recuperação das termas, da fisioterapia, não gastava o dinheiro dos munícipes naquilo que não lhes pertence. Que o dinheiro não é seu , é de todos nós , deve-o  gastar bem, essa é a sua função, para isso foi eleito, para isso o escolhemos, não para se empinar numa política de saltos altos. Antes de cá chegar, muita gente do concelho fez este património comum que agora o caro presidente ajuda a destruir, ou não o defende, como era sua obrigação enquanto edil.

Depois o Buçaco é um templo, um templo botânico. Num templo há silêncio, adoração, paz e tranquilidade. É para admirar, usufruir, para amar e reflectir, é um lugar sagrado que merece o respeito. Como uma igreja é um local de culto, o Buçaco também o é, de culto e oração e de libertação !  Para arraiais chegou sempre a Ascensão, de resto, dispensa pisoteio, vendilhões de praça pública e promotores de negócios para lhes venderem corpo e alma transformando-o numa feira de vaidades. Deixemos as bacoquices, o empirismo, a senilidade política Se queremos estar dentro da cidade temos de falar e agir com a cidadania da urbe, com a clareza da palavra e da verdade, doutro modo nunca passaremos da aldeia que desejamos.

Depois, não vivemos no país de Alice, ninguém tira coelhos de cartola nem temos poços de petróleo, não somos árabes, sabe perfeitamente que nunca haverá dinheiro suficiente na autarquia para recuperar e manter a Cerca Buçaquina ou fazer a candidatura a património Unesco. Esta será apenas a sua presunção e dum partido que só existe na Mealhada de quatro em quatro anos, quando for necessário meter os votos na urna para escolher um amo já escolhido. Este ano parece que nem é preciso, a ditadura manda! Caminhos duma democracia afunilada nos pântanos deste país de sol! Mesmo assim, hão-de chegar ao Luso, transportar os amigos á sede do concelho frente á boca da urna. Como a política não tem vergonha, esquecem nessa altura que em quatro anos fizeram nas termas uma retrete pública, se entretanto acabarem a obra! Assim não vamos lá,  meu caro presidente!

Luso,Janeiro,2017

 

12
Mai16

CERCO DE BADAJOZ

Peter

tasmaniafoto

 O diário de um oficial  inglês  relatando episódios das Invasões

Francesas na Peninsula Ibérica , nomeadamente no Alentejo e

em Badajoz foi encontrado num alfarrabista da Tasmânia, Austrália.

Intitulado "Journal 1811" o manuscrito é um documento inédito e

conta com detalhes e precisão técnica o cerco do exército Anglo-

-Luso a Badajoz, comandado pelo Duque de Wellington em 1811,

nos começos do séc. XlX, no seguimento da  Batalha do Bussaco.

Para Gavin Daly , especialista em Guerra Peninsular na

Universidade da Tasmânia, trata-se de um "Tesouro" e a caligrafia

já foi reconhecida e confirmada como do autor John  Squire , que

veio a falecer vitimado por doença depois do cerco à cidade da

Estremadura espanhola. Está por saber  de concreto como foi

acidentalmente parar ao espólio do alfarrabista australiano o

importante manuscrito.

Fontes: BBC e NET

 

23
Set08

D.MANUEL II

Peter

 

       

      (pintura de Medina)

 

     D. MANUEL II E O BUSSACO

 

D.Manuel II, último rei de Portugal, nasceu no Paço de Vila Viçosa na madrugada de sexta-feira do dia 15 de Novembro de 1889. Segundo filho do rei D. Carlos e da rainha D. Amélia, logo  lhe foi atribuído o titulo de duque de Beja e destinada a carreira naval.

  Foi na sequência da morte do pai e do herdeiro do trono o infante Luís Filipe, seu irmão, no atentado de 1 de Fevereiro de 1908, que herdou a coroa de Portugal na época difícil que antecedeu a implantação da república.

VIAGENS                         

    A primeira notícia da sua passagem pelo Bussaco consta das suas anotações escolares, registos que o infante fazia com muito pormenor e interesse. Assim, numa viagem de estudo á Serra da Estrela no ano lectivo de 1902/1903, anotou nos seus cadernos:

      7º Dia da viagem: Mangualde a Bussaco …. 149,9 Km

      8º Dia da viagem: Descanso no Bussaco

      9º Dia da viagem: Bussaco-Tancos………… 180,0 Km

Noutra anotação sobre viagens refere o príncipe nos mesmos cadernos de anotações:

      “Passeio de S. Pedro do Sul ao Bussaco, por Águeda, total de 169,7 Km “ e logo depois, “Bussaco a Penacova, por Coimbra, total de 50,8 Km

GABY DESLYS                           

     Em 1910, durante o período conturbado dos finais do seu reinado que antecederam a implantação da República, foi o monarca aconselhado pelos seus médicos a afastar-se de Lisboa e descansar. A 12 de Julho partiu para o Bussaco onde permaneceu até 23 de Agosto. Na capital, a insurreição estava praticamente instalada e as ameaças da revolução eram uma constante, fervilhavam as mais controversas notícias e os mais diversos boatos. Logo a 14 de Julho, tinha o rei acabado de chegar ao Bussaco constou que a revolução sairia no dia 15 e que o rei seria alvo dum rapto no Palace Hotel.

         O Governo, presidido por Teixeira dos Santos acautelou a integridade do rei enviando para sua protecção quarenta policias como força de segurança, agentes da judiciária, uma força de infantaria e um destacamento de cavalaria. Nestas datas, todas as forças se mantiveram em rigorosa prevenção, particularmente em volta do Palace Hotel onde se instalava o monarca.

        É também desta estadia a presença da actriz e bailarina Gaby Deslys com a qual teria tido um romance amoroso.

        D. Manuel conheceu a actriz numa estada em Paris e ter-se-ia encontrado com ela a primeira vez no seu camarim do Capucines , após o espectáculo. Daqui nasceu uma relação que se manteve alguns anos, perante o desagrado da rainha D. Amélia, sua mãe.

         Quando regressava de Londres, onde esteve presente nas cerimónias fúnebres do rei Eduardo VII, em Maio de 1910,D. Manuel passou por Paris onde matou saudades, para depois, no mês de Julho, estar de novo com a bailarina no Bussaco.

          A propósito desta relação escreveria D. Amélia: “ vim a saber pelas más-línguas que Manuel ainda tem uma paixoneta por essa divazinha do music-hall parisiense Gaby Deslys, de origem marselhesa, cujo verdadeiro nome é Gabrielle Caire. Correm boatos segundo os quais Manuel segue as pisadas do pai e os seus esforços políticos são imediatamente anulados por isso.”

      Também os partidos políticos, sobretudo os da oposição, mas também os monárquicos, aproveitaram esta situação para denegrir a figura real e a própria monarquia. O próprio rei, diria a propósito: “ Quem não o devia saber soube-o! Os outros, que o deviam calar, esqueceram-se de ser discretos”

 MUSEU MILITAR-27 Setembro 1910                   

Um dos últimos acontecimentos que teve  participação real decorreu quanto das comemorações dos cem anos da batalha do Bussaco , no dia 27 de Setembro de 1910.

 O rei deslocou-se ao Bussaco em comboio especial naquele que foi um dos últimos actos públicos do Governo e da Monarquia participando directamente nas cerimónias com grande brilhantismo e com a presença de altas personalidades, entre elas o Duque de Wellington, Lord Arthur Charles Wellesley, neto do duque general. Presentes também os ministros da Guerra e dos Negócios Estrangeiros que acompanharam o rei na sua deslocação.

   Durante a visita, que decorreu com pompa e circunstância, não deixou de se respirar o pesado ambiente de instabilidade politica que se vivia na altura e que terminou alguns dias depois na revolução republicana do cinco de Outubro. O rei inaugurou o Museu Militar do Buçaco, instituição que subsiste hoje associada na sua fundação á figura do rei e ao seu pequeno reinado.

   D. Manuel viria a ser um exilado em Londres, onde casou com D. Augusta Vitória, filha do seu primo o príncipe alemão Guilherme de Hohenzollern, enlace que não produziu descendência. Morreu em Twickenham, Inglaterra, no dia 2 de Julho de 1932 com um edema da glote.

   A 2 de Agosto os restos mortais do Rei foram trasladados para Portugal onde repousam no Panteão Nacional. FS          

Mais sobre mim

foto do autor

VISITAS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D