Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

13
Set20

UM LUSO-BUSSACO ESQUECIDO

Peter

DSC_3427 (2).JPG

Acreditamos que quando a Câmara da Mealhada  tentou fechar o Palace Hotel do Buçaco teria sido para o entregar ao domínio da Fundação, nos rendimentos da concessão,  ou á sua exploração directa.  De uma maneira ou de outra, a entrega do Hotel á Câmara ou á Fundação por conta da Câmara, é o passo politico para o desastre total e para  o fim duma referência  no mundo da hotelaria nacional , europeia e global.  Os profissionais do sector do turismo que passaram pelo Bussaco e deram ao Hotel o melhor do seu profissionalismo, da sua experiência e do seu conhecimento , não merecem que a obra que vem sendo feita há mais de cem anos a esta parte, seja delapidada pela inconsciência e ignorância de  meia duzia de politicos  que não sabem o que fazem, não são das termas e nem querem saber de quem explora e vive no local. Esta é a democracia  dum municipio que nem entre os seus eleitos tem um representante da povoação mais importante e conhecida do concelho. A máquina partidária concelhia, trucidou pura e simplesmente o Luso-Bussaco, só conhece a terra para de quatro em quatro anos transportar os correlegionários á mesa de voto que os pré-eleger às eleições. Correlegionários politicos que, por este ou aquele favor, se julgam obrigados a votar no sítio certo, com medo de alguma represália. É parte da democracia deste concelho...uma seita pré-politica e pré-partido para cozinhar o guizado.

20
Ago20

BUÇACO EM MAUS LENÇÓIS

Peter

samaritana.jpg

UM MONUMENTO NACIONAL

NÃO PODE SER GERIDO POR UMA AUTARQUIA.

Ora até que enfim um sujeito que há seis anos tem mandado na Mata Nacional do Buçaco, reconhece que um património nacional não pode ser gerido por uma autarquia. Embora por meias palavras e com o secretismo habitual, sugere que algo vai ser mudado enquanto diz que sai este mês da presidência, para depois afirmar que em Novembro continua os trabalhos, não deixando perceber se neste baralho de cartas sai ou fica. O trunfo éstá na falta de transparência do costume. É estranho, quanto ao fim da comissão de serviço que aceitou há seis anos, por escolha a dedo dum presidente de Câmara , venha dizer publicamente que  um monumento do Estado não pode ser gerido por uma autarquia, quando no inicio aceitou o cargo em silêncio , nada comentou sobre o assunto, nem sobre a capacidade autárquica para o poder fazer. Depois, passou seis anos calado sobre a questão e só na despedida, se vai haver despedida, é que verificou essa falta de poder e meios. Por que razões o fez agora e não antes, não sabemos, mas que  deixa dúvidas no espirito do cidadão, deixa.

Até porque, andando de calça curta na Mata desde que seu avô foi gestor na Administração Florestal do Buçaco, deveria ter aprendido como era bem administrado  nesse tempo remoto e como é tão mal  nos tempos que hoje correm. Desde 1836, quando foi incorporado nas Matas do Reino e depois nas Matas da Republica em 1910, ambos  momentos liberais desta nação, até ao momento em que um senhor Sócrates o entregou a uma autarquia socialista, apadrinhando o ato, a Mata Nacional nunca passou por degradação igual á de hoje. Trata-se da única fundação publica a quem o Estado não dá um tostão, obrigando os pobres munícipes a pagar do seu orçamento, a gestão dum património que não lhes pertence, entregue á curiosidade de amadores da coisa pública, sem vínculos, nem saber para gerir o bem comum e imunes a qualquer responsabilização. Isto porque uma autarquia sem bom senso, aceitou  esta solução de substituir  o  Estado  quando no entender dum bom gestor deveria  processar o Estado por lhe retirar os meios  necessários para o poder fazer. A destruição começou aí, e veja-se  desde logo a incapacidade da fundação para gerir o espaço no triste desastre do quadro de Joséfa de Óbidos , avaliado em cerca de 100 mil euros, que deixaram arder na igreja do Convento. Ninguém foi culpado, ninguém foi incomodado, o caso foi abafado como se nada tivesse acontecido. Estas barbaridades, exigem apuramento e juízes, pois ninguém ali estava , nem está, a trabalhar por amor à arte. Com estes privados de algibeira, foi o que aconteceu. Imunes até aos presente.

DSC_3870[1].JPG

Não é difícil perceber o estado miserável em que o gestor, agora de abalada, deixa os 105 hectares da Mata Nacional, ao serviço duma autarquia de irresponsáveis políticos que, ultrapassando o tamanho da chinela, se disponibilizaram para gerir um património alheio, com o dinheiro dos outros, dos munícipes. Um assunto que, como no caso recente dum não precário nos serviços da mesma Câmara, deveria ser também investigado, em termos de legalidade, pela Procuradoria-Geral da Republica. Quanto ao Buçaco, abstraindo a estrada que leva à Fonte Fria, ao Convento, ao Palace Hotel, que está fechado, (?) às Portas de Coimbra e à caiação paga pela CEE das capelas da Via sacra, todo o resto está numa ruína como jamais esteve desde que os frades carmelitas destilaram os males da inquisição nas árvores do novo mundo, plantando-as ali. Basta sair dos principais caminhos e do eixo principal que é a estrada, para observar o estado de abandono a que a incapacidade do organismo e da fada madrinha, a autarquia, levou o património. Julgo que o gestor, por muito boa vontade que tivesse, não poderia fazer nada por falta de meios, mas perde as suas razões quando reconhece tardiamente, no fim da comissão de serviço, a incapacidade duma Câmara pequena e inconsciente, para gerir o património nacional. O entusiasmo com que abraçou o desafio, foi bem diferente no fim.  No quinzenário local, onde relata hoje as suas mágoas, escrevi muitas vezes o que repito aqui, a Câmara da Mealhada quer ser dona de tudo, mas na realidade só tem ajudado a destruir o seu próprio património e o que não é seu, o caso do Buçaco, das termas de Luso, da Escola Profissional, da Cooperativa Agrícola, da Adega Cooperativa, dos cafés que não consegue gerir na cidade, resumindo, as grandes obras afinal, resumem-se á compra de sucata imobiliária, incluído o cinema do Luso que tem direito a cair como as fábricas da Pampilhosa, o fim do nó ferroviário, a morte, antes de nascer, do famoso campo de golfe ou a barragem do Buçaco, agora no arquivo bolorento de uma gaveta esquecida no sótão  municípal.

carrada.jpgOutro caso fedorento, passa pela Quinta do Murtal, comprada ou a comprar, parece segredo, por dois milhões e quinhentos mil euros para fazer um museu não se sabe de quê, e criar dois postos de trabalho, o do porteiro, se existir, e o da funcionária amiga. A vilória que passou a cidade subiu à cabeça dos eleitos e espichou-lhes o umbigo duma forma contundente. Doença que chegou para ficar. Um absurdo intencional. Mas os dois novos e grandes mercados, a três quilómetros um do outro, num tempo em que as grandes superfícies dos privados se substituíram aos mercados públicos, são outro paradoxal testemunho da mesma gestão pouco inteligente e afastada da realidade e do interesse da população. Esta é a mesma imbecilidade política  de quem não sabe o que fazer em prol dos seus municipes.

Pois que o gestor buçaquino se vá embora, é uma boa ideia, seja tranquila a reforma, mas ir-se embora levando atrás de si o peso do estado lastimoso da Mata Nacional, não o abona em nada,  nem no país, nem do delírio de levar uma Mata Nacional a Património da Unesco, no estado em que se encontra. Depois da obra que deixa, é ridículo pretender chegar ao património do mundo apesar das justificações que são as tempestades, os ciclones, as trovoadas, os furacões ou até as monções, os culpados do desleixo. Ou enxurradas da serra que sempre existiram e sempre existirão. De facto, sabe tão bem como os habitantes da freguesia do Luso, a quem teve a amabilidade de fechar pela primeira vez em 180 anos a entrada na Mata com o seu carro ou carroça, que a serra foi e é devastada ciclicamente por elementos naturais, e sabe que na mão do Reino, como na da Republica, a do seu avô, sempre recuperou em muito pouco tempo. Na sua mão por conta da autarquia mealhadense, é o que se vê, uma saga começada sem ter um fim á vista, pelo contrário, num agravamento constante. E eu próprio, como outros, munícipe do concelho, sinto-me lesado ao ter que pagar com os meus impostos e taxas, a destruição que, por incapacidade, tem provocado no Buçaco, incluindo as remunerações dos serviços que prestam. Pondo-me em lugar idêntico, teria vergonha e declarado a falência antes do toque final.

carrada 1.jpgNão conheço a pessoa e enquanto tal não tenho nada a dizer, porém, como suposto especialista e responsável pela recuperação do Buçaco, foi um falhanço total. Perdeu a oportunidade de lançar o seu grito de revolta, ou sensatez, durante os seis anos em que rebocou a evidência, evitando o fim para proclamar a sua opinião ,saindo limpo do fosso.  Como o capitão de navio que vê o barco ir ao fundo e não pede ajuda a ninguém antes do afundamento, foi o que fez antes de bater a porta. Se a falta de transparência habitual, não  trocar o raciocinio. Coisa natural no meio.

Recordemos que o Buçaco é um património de todos, não da Câmara da Mealhada, em primeiro lugar é da freguesia do Luso , e trata-se dum património nacional, único num concelho  pobre de valores, onde o que existe  e se regista na história, na cultura, no campo militar, religioso e turístico, salvaguardando que os turistas não são o bando de semeadores que invadem a mata para plantar árvores nem os festeiros e caminhantes que a palmilham sem regras e nem um café bebem, quanto mais chamar-lhes turistas, esse património liquido , digamos, existe na freguesia do Luso, a única também com o poder de atrair os visitantes . O Buçaco é um parque, um templo botânico para ser respeitado e visitado por quem ama a natureza, o silêncio, a serenidade, a beleza e a vida vegetal que ali se perpetua. Trata-se dum património regional, nacional e europeu, dizimado pela inconsistência do clima, mas muito mais pela inconsciência do homem, no obscurantismo das suas limitações, perspectivas e banalidades.

A terminar, comungo as preocupações que tem com a vinda do presidente do ICNF, Instituto de Conservação da Natureza, semanalmente ao Buçaco. De facto é uma grande maçada e um grande problema, porém naturalmente que o povo unido não lhe fica a dever as ajudas de custo nem as deslocações que o senhor presidente faz. Mesmo com reformas de ´200 e 300 euros mensais, não fica a dever nada a ninguém...Já agora a propósito, será que a fundação Bussaco tem algum acordo de empregos com os familiares dos presidentes da autarquia??

 

 

22
Jun20

BUÇACO A BATER NO FUNDO

Peter

SEM FUNDO, SEM FUNDOS,SEM GOVERNO...

rolos.jpg

Carregamentos de madeira são retirados da Mata  Nacional...

Finalmente um partido político chama a atenção para o desastre que é a Mata Nacional do Bussaco, um Património Nacional nas mãos do município da Mealhada e gerido por uma fundação municipal de inspiração socratica, a única que não recebe dinheiro do Estado e é subsidiada pelos dinheiros camarários ,  dinheiros dos municipes gasto num bem que não lhes pertence. Paradoxalmente, a dita Câmara, ofereceu-se para tomar em suas mãos o financiamento e hoje, descapitalizada, nem dinheiro tem para manter a funcionar a escola  profissional que fundou através do orçamento municipal , vendendo-a a uma organização privada que nada tem a ver com o território, mas sim com o negócio deste tipo de escolas.

DSC_0952.JPG

Caminhos deslumbrantes e estradas que destroem o acervo...

Quanto á Mata Nacional do Buçaco, poderemos verificar que  sucessivos presidentes da autarquia  tiveram familiares ali a trabalhar como funcionários e hoje a  esposa do presidente em exercício é consultora da fundação com um contrato de dois mil e meio euros mensais, sem haver conhecimento de qualquer concurso para o efeito.  Enquanto isso, a fundação, que existe desde  2009/10, tem a sua obra bem visivel no terreno, a Mata, do jardim botânico de excepcional valor  que era, traduz-se hoje num desastre total , uma vergonhosa demonstração do que faz o Estado que temos para  conservar o património pátrio. 

 

DSC_3475 (2).JPG

Um Vale dos Fetos em vias de extinção, perante a apatia do proprietário, o Governo. Velha fotografia.

Gestores pagos a preço de ouro, detruiram o templo botânico e ambiental e justificam a sua incompetência com tempestades, ventos, furacões e outras catrástofes naturais. O parque, ao longo do quase meio milénio da sua existência passou por muitos fenómenos naturais, ciclones , enxurradas e devastações levadas a efeito por gente insconsciente em fases de abandono, mas sempre teve alguém que lhe recuperou as artérias  e o fez tornar á vida.

DSC_3445 (2).JPG

Ermida de S.Miguel, recuperada há poucos anos pelos monumentos nacionais por 30 mil contos, hoje destruida no seu interior e rodeada de acácias, mato, silvados e de acessos precários...

Os Frades , o Reino, o Estado  através do Ministério da Agricultura. Hoje, pode dizer-se que a calamidade da fundação foi o pior fenómeno que lhe caiu sobre o corpo , curiosamente pago pelo erário publico  municipal. Fundação, autarquia da Mealhada e Universidade de Aveiro que mandou para aqui os seus alunos brincar, podem vangloriar-se da  obra que fizeram ! A Mata está desbaratada , arruinada, destruida, como diz o Bloco de Esquerda na sua intervenção sobre o assunto. Essa é a realidade á vista . A politica levada a cabo  tem sido suja, opaca, arrasadora e para lá do desbaste  continuo do conteudo arboreo , acompanhado da invasão de acácias e silvas, vai-se o polo turistico do Luso-Bussaco que foi durante décadas a sala de visitas do municipio , através das suas termas e da serra, um lugar cheio de história que o municipio local se apressa a riscar do mapa.

DSC_3427 (2).JPG

Cúpula do Hotel Palacio do Buçaco, um 5 estrelas mandado fechar pelo presidente da autarquia...(sem o conseguir)

Quizeram engravatar o que já era engravatado e a gravata deu lugar aos farrapos que restam dum lugar bonito e aprazivel. Não é por esta via municipal ou fundação partidária ,cega, esburacada e incompetente que se chega a um destino feliz. Muito menos a património da humanidade , como ridiculamente pretendem. Disso, já esteve muito mais perto ! Como diria Herculano, faltam adultos nesta  competição e profissionalismo nesta tomada do poder! Juntemos a isto o ezvaziamento da parte termal do Luso, um polo económico valioso no mapa turistico do centro de Portugal, esvaziamento levado a cabo por estrangeiros  apoiados politicamente por uma câmara municipal de maus amadores ,a da Mealhada,  e  um Estado desinteressado pelo seu próprio património e o descalabro instalou-se como a pandemia do virus.

Assistimos finalmente a uma interpelação ao Governo sobre o estado do património comum, a Mata Nacional do Buçaco, um partido, o Bloco de Esquerda, que  teve a coragem de levantar a questão.

 

09
Out19

 A FREGUESIA DE LUSO E A TRISTE CÂMARA

Peter

ffris.jpg

D ois anos depois da queda de uma dúzia de metros cúbicos de terra na barreira da Quinta do Alberto, a Câmara retirou os emplastros de cimento que anularam durante duas épocas os estacionamentos da sala de visitas das Termas, no centro do Luso, o que provocou inúmeros prejuízos a toda a gente. A “inauguração “aconteceu no dia 30 de Agosto e esta sala que já foi do município, voltou agora á mesma normalidade, após a triste figura da autarquia e da universidade que, consta, se envolveu no complexo estudo. As ciclópicas obras acabaram de vez, apesar de tudo ter ficado na mesma. Nem mais um metro quadrado, um posto para estacionar, um candeeiro de iluminação, um banco ou um caixote do lixo. Mais nada. O zero absoluto produzido pela política com 140 mil euros, uma pequena fatia do que recebe anualmente a autarquia das Águas de Luso, quantia que caberia à freguesia das termas e ao seu desenvolvimento usufruir.

Já disse aqui que na mão dum ex-presidente de Junta de Freguesia, a limpeza do local não demoraria mais de um, dois dias, mas a gestão camarária demorou dois anos e recuperar morro e praça, sem olhar, minimamente, aos interesses da terra ou aos desejos da gente. Um centro termal que já foi do município, merecia melhor tratamento que uma barreira de estradão e uma rede de pesca, merecia sim um enquadramento urbano adequado. Disto porem, a triste Câmara tem nenhuma consciência, o que a leva a tratar o território sem respeito pelas pessoas e pela atividade que pode criar riqueza para o concelho. E vejamos o rol das distrações e incapacidades.

No caso das Termas, reduzidas a Spa de um hotel, a autarquia coloca-se ao lado da unidade hoteleira das águas e esquece os outros agentes locais ou as pessoas que teimam e subsistem na área. Colaborou, é preciso relembrar, na redução das termas para 500 metros quadrados e com a venda do balneário de segunda, reduzindo a área termal a pouco mais que nada., em paralelo com o aval à deslocação do engarrafamento e sede para fora do Luso, sem qualquer contrapartida, como se vê agora. Outras verdades são que a autarquia nunca levantou a voz em defesa do termalismo, embora as termas tenham sido impulsionadas por dois grandes mealhadenses, Costa Simões e Messias Batista. A Câmara nada disse pelo fecho dos correios, nada fez por estudos conducentes á recuperação ou reconversão das velhas pensões, pelo aproveitamento da linha de água e do núcleo de moinhos de Carpinteiros, o maior do país, pelo problema da falta de estacionamento crónico e o lago, destruído há dois anos, continua destruído. O cinema, sem teto e a céu aberto ou a casa da Miralinda, ex-casa do Povo, a ruir, são fotografias tristes da inocuidade autárquica, em termos políticos, uma avestruz festeira de cabeça enfiada em areias movediças. Uma pequena piscina no parque de campismo, prometida e nunca feita, continua em promessa, e o fabuloso parque industrial de Barrô, uma aldrabice arquivada. E não esqueçamos a ridícula tentativa de fechar o Palace Hotel do Bussaco levada a efeito pela Câmara e pela sua presidência., uma obra de arte da imbecilidade da politica!

Acrescentemos a Mata Nacional e o estado de abandono a que está votada por uma fundação de família partidária, e teremos a imagem indecorosa da maneira como Estado e Câmara encaram património do País. A classificação pela Unesco está longe e o negócio em que transformaram o templo botânico que era a Mata Nacional, arrasa árvores espalhadas pelos 105 hectares da Cerca, acácias, silvados e vegetação vária que invade espaços e interrompe caminhos e veredas, uma lástima vergonhosa e suja. Se a Câmara queria destruir o ativo botânico, A Mata Nacional, conseguiu-o, duma forma incompetente e irresponsável. Basta um passeio pela Cerca Buçaquina para tomar consciência da “barraca” de tiro ao alvo em que transformaram o espaço. A floresta que chegou a ser a menina dos olhos do Ministério da Agricultura é hoje um triste retrato do que foi. Nem Governos, nem a autarquia, um pigmeu em bicos de pé , estão de fora do descalabro ou da incapacidade no que toca ao Buçaco. Basta dar um passeio pela floresta e verificar o -abandono em que se encontra. O estado da Mata Nacional, que foi um dia joia da coroa do Ministério da Agricultura, é hoje uma vergonhosa obra de políticos que se desresponsabilizaram a favor de autarquias e seus polvos tentaculares. A freguesia do Luso vem sendo delapidada inconscientemente por uma gestão municipal que não está á altura de preservar os bens que tem, quer na sua manutenção, quer no desenvolvimento das suas potencialidades.

Luso, Setembro, 2019

.,

03
Abr19

BURRICADA

Peter

Burricada 1906 estu..jpg

E sta fotografia data de 1906, tem 113 anos de existência e representa uma

burricada ao Buçaco levada a efeito por estudantes da Universidade de Coimbra

a convite do Conde do Ameal, tendo feito as refeições em sua casa.

O palace Hotel estava na fase final da construção.

09
Mar19

ALEXANDRE ALMEIDA E O BUÇACO

Peter

bus1.jpg

Alexandre Almeida nasceu na Lameira de S. Pedro, Luso, em 1885, filho de Isidoro José Ferreira e de Maria da Conceição de Almeida. A família possuía nas Termas a “Casa Aliança” desde 1875, um estabelecimento comercial destinado a servir aquistas e nativos com uma larga variedade de produtos. Na sua juventude assistiu á construção do Palace do Buçaco e já adolescente ao inicio da actividade hoteleira pelas mãos pela mãos de Paul Bergamin um suíço que explorava o Hotel da  Mata e a albergaria “Chalet Suisse” e o restaurante da estação da Pampilhosa, onde atendia turistas e termalistas que se encaminhavam para o Luso-Bussaco.

Quando tomou conta da Casa Aliança a estância termal e a Mata estavam na moda e o seu caminho passou pela modernização do negócio aberto a  nacionais e estrangeiros. Instala no local a primeira máquina de café da região, a qual possuía um apito accionado por vapor de água avisando os cliente da frescura do café. Cria a secção “Suiça no Luso” onde vende artesanato helvético com legendas locais, como “Souvenir do Luso”, “Souvenir do Bussaco”importando o material directamente para a estação de Pampilhosa. É o primeiro cidadão do distrito de Aveiro a comprar um motociclo, indicio dum interesse posterior por veículos motorizados.

A sua vida na hotelaria, segundo a história da família, começa por um convite de Bergamin em 1916 para se juntar a ele e fazerem uma gestão comum do Hotel do Bussaco. Mas Alexandre tinha da industria do turismo uma visão avançada e via potencialidades para ir  em frente num caminho criativo e de desenvolvimento enquanto Begamin, desactualizado, optava por uma gestão caseira ou de merceeiro, gestão de gaveta aberta sem despesas nem receitas. Esta gestão doméstica levou o suíço a queimar no forno da cozinha a “livralhada” das contas o que levou Alexandre a virar as costas ao acordo. Em 1917, incapaz de segurar o barco, Bergamin reconhece a sua incapacidade e entrega a gestão da casa ao ex-sócio que lhe dá o nome de Palace Hotel do Bussaco por escritura de 20 de Março de 1920.

Acto importante na área do novo empresário e igualmente na história da hotelaria em Portugal, pois o Hotel começa por figurar como o melhor do país, e dos melhores da Europa e do mundo.

O sonho de Alexandre Almeida concretiza-se. O castelo e paço capaz de receber com luxo uma clientela exigente capaz de pagar um produto de alta qualidade abre-se pela primeira vez num país que o não tinha e que o exemplo do Bussaco veio abrir e ensinar a Cascais, Estoril, Sintra e poucos mais locais de então. Um hotel de charme que tem funcionado ininterruptamente nas mãos de um dos primeiros empresários  do sector em Portugal.

Foi esta unidade, única do país, que o sábio presidente da câmara deste município procurou e procura destruir. Melhor seria ir destruir a terra dele.

 

 

                                                                                                                  

 

16
Jan19

PALACE HOTEL UMA HISTÓRIA DOS DIABOS

Peter

O APITO  FECHA HOTEIS  OU AS AVENTURAS

DUM AUTARCA EM FIM DE VALIDADE

buçaco neve1.jpg

Não, afinal o Hotel do Buçaco não fechou. Foi condenado mas não fechou. Condenado por várias  suspeitas, foras da lei, indios, agentes do mal, tudo isto presumido  pela voz dum senhor edil,  casualmente presidente da Câmara da Mealhada, ao entender que um sensor avariado que não apitava devidamente  era uma gravissima ameaça ao funcionamento do hotel. Como tal o hotel fecha-se. Aliás já fez várias tentativas para o fechar Se lerem as atas da autarquia pela voz presidencial, é isto que diz,  o estado gravissimo da central de fogos que um coronel em Aveiro resolveu substituindo um censor. Foi necessário ir a Aveiro e a  um coronel da proteção civil para mandar mudar o censor. Aliás foi preciso o presidente  pressionar o coronel presidente como fazia a saudosa Ivone Silva quando era Olivia criada ou era Olívia patroa. O que aconteceu foi isto e não a trama urdida por um casual presidente duma câmara que gere  duma forma aberrante e autoritária um património do Estado que lhe foi cedido por Sócrates através duma fundação amigável para entreter uns clientes políticos. Não o Sócrates grego que era sério. Pela mesma câmara com que a fundação pedala utilizando o dinheiro de todos munícipes para gastar no que não lhe pertence deixando ruir os bens próprios.  Esta incapacidade e incompetência à vista, é o resultado de anos de trabalho inglório , nada avançou no espectro geral do território , nem economicamente, nem em condições de vida, nem em empregos conseguidos , nem em riqueza criada, desenvolvimento , investimento. Nada que tenha tido influência no panorama geral do concelho.Em obras de vulto, apenas se regista o aumento da Etar, em asneiras de vulto compra-se sucata imobiliária, engendra-se um suposto museu para comprar uma quinta  de ex-camaradas cujo investimento paranoico de 2,5 milhões de euros pode criar na melhor das hipóteses dois empregos , uma conservadora e uma empregada. Que diabo de gestores são estes num país á beira da falência ? Há gente por menos em manicómios...

buçaco foto.bmp

Esta compra ou negócio deixa em aberto muita especulação, primeiro porque  não faz sentido, segundo porque cheira a compadrios políticos, oxalá seja só cheiro,  terceiro a carga financeira vai cair num próximo executivo que, a não serem os fracos exemplares que nos governam  , serão alguém que vai engolir o sapo. Isto não é feito por acaso e não se faz, é sujo e pensado para que, sejam quais forem os resultados eleitorais, a autarquia eleita a seguir fique presa ao pagamento deste disparate. Se for jeito e meter luvas,  coisa em que não acredito, ficam as contas saldadas para quem sai , e que se amanhe quem vier .Se era jeito foi feito a contento, se o não era, paga o Zé a maluqueira! De qualquer modo em política séria isto não se faz em vésperas de eleições, é uma forma de corrupção encapotada, entre políticos  de pouco senso e pouco respeito pelos vindouros. Ou nenhum senso. Outras asneiras de vulto são os megalomaníacos mercados em Pampilhosa e Mealhada quando o ciclo dos mercados passa exatamente pelo contrário, pelas áreas comerciais de média dimensão ao alcance dos privados que vão alargando a sua zona de influência até conquistarem por completo o mercado. Os da autarquia são investimentos vultosos e ruinosos  que no fim vão ser inúteis motivados por ignorância ou outras razões que eventualmente o tempo nos venha a mostrar e vão custar 4 milhões  de euros! E há um desinvestimento importante na área do turismo, com a transferência dos respectivos serviços do Luso para a Mealhada e a destruição dum património centenário , a marca Luso-Buçaco. Se tivéssemos uma Junta de freguesia independente e com capacidade financeira, este assunto poderia e deveria ser discutido em tribunal, pois a Câmara não tem o direito de retirar a uma freguesia aquilo que quer e porque lhe apetece, tal como fez o fascista  Manuel Lousada quando em 1955 roubou a fonte á freguesia do Luso sem ter legitimidade para tal. Legalmente, a fonte pertence ainda á freguesia do Luso, é sua propriedade como sempre foi desde que há notícia histórica, primeiro da Vacariça, depois do Luso. Da Câmara nunca foi , foi simplesmente roubada por um acto do fascismo ainda por remir. Mas aí, estou convencido que um dia  uma Câmara honesta e séria reporá a ilegitimidade e ressarcirá a freguesia da água que anos e anos utilizou como sua receita própria. Essa água tem que ser paga á freguesia com a restituição do bem. Se assim não for viveremos num covil o que não não se pode permitir que seja o caso num país de direito democrático.

Face a este intróito, e voltando ao problema  do Palace Hotel do Buçaco , o que fez a Câmara face ao sensor que deixou de apitar ? Moveu este mundo e o outro para fechar o hotel com ofícios assinados pelo presidente  que nas duas Assembleias municipais seguintes defendeu que não foi ele.Teve o azar de nos passar á mão a correspondência que escreveu e assinou exactamente a pedir uma rápida vistoria e o fecho da unidade hoteleira. A suposta imprensa da região não diz nada porque estão dependentes das câmaras na sua sobrevivência, louvam-lhes os atos  mas não os desacatos. A começar pelo "calino" o Diário de Coimbra que a partir daquela cidade deveria liderar a informação regional com isenção e verdade mas faz como todos os outros para sobreviver. Aquele diário, só vale por alguns textos de opinião entre eles os do ex-candidato a presidente da República Henrique Neto, um homem lúcido e conhecedor que aponta sem hesitações muitos dos cancros que comem este país. De resto, o cenário desta imprensa passa pela mesma mama do Estado por que passam inúmeras entidades existentes e não existentes neste país. Onde começa e acaba o Estado nunca se sabe.

O que escrevo está á vista, quem tiver dúvidas sobe a serra, entra na Mata  Nacional e verifica pelos seus olhos como ela está. Se é um velho amante daquele espaço não vá, tem uma desilusão, é que a  Mata do Buçaco nunca esteve num estado tão lastimoso como agora, a fundação não fez nada em prol do espaço, não fez nem sabe fazer a não ser umas brincadeiras para enganar os tolos. Ao escrever isto podem pensar que estou a exagerar, mas não, não estou. Nasci aqui, fui dez anos administrador delegado da Junta de Turismo na área   abrangida pela   Mata, trinta e cinco anos membro da assembleia municipal , oito anos vereador da câmara, sei do que falo, sei o que digo. E tenho amor á terra onde nasci. Quanto aos gestores envolvidos na Mata Nacional tenho pena que nenhum seja deste concelho , são gente escolhida a dedo que ninguém conhece, filhos e enteados dos partidos, estão cá de promessa pelo dinheiro que ganham , não por amor a um chão que não é o deles. É que afinal, nem o presidente da Câmara nasceu neste concelho!  

Mesmo assim, o poderoso autarca utiliza um lápis pior  que o lápis azul da censura pidesca para fechar o hotel, o hotel registado com o número um dos hoteis de Portugal, conhecido na Europa e no Mundo , coisa que ele não sabe sequer . E ao exigir o fecho esqueceu-se dos quarenta funcionários altamente especializados que tem a unidade hoteleira.  Na sua leviandade e irresponsabilidade política chama-lhe amor ao Luso e ao Buçaco, por isso  mandou tão rapidamente fechar levando atrás de si as 40 famílias que são gente, não robots. Mandou-os simplesmente para a rua , a eles e às famílias. É um acto político intolerável, impensável , irresponsável , sujo, talvez a precisar de medicina preventiva na área psicológica. O seu objectivo  é retirar  a concessão ao Estado e entrega-la á fundação.

tocha 2011 007.JPG

Ainda em relação ao Buçaco, o que deveria preocupar o sujeito é a próxima catástrofe que está á vista e vai acontecer e que será o aluimento das estradas  que percorrem o interior da cerca. Basta conhecer um mínimo do Buçaco para , olhando para os paralelos das vias acertar no prognóstico, fruto duma actuação ignorante  e desenquadrada da fundação , que não conhece e nem quer conhecer uma regra simples que vem há séculos da Ordem Carmelita dos Descalços desde que plantaram a Mata . Todos os funcionários florestais a sabiam e seguiam , foi o ABC da Mata Nacional até que uns engenheiros de cordel vindos de Aveiro a quiseram ignorar e o resultado está á vista, até as estradas vão ruir  a curto prazo. A verdade é que o Buçaco nunca escapou aos efeitos das mais variadas espécies de temporais, tempestades, ventos, ciclones, o mais pesado de todos nos meados do século passado que lhe colocou meia floresta no chão, mas outra verdade insofismável é que sobreviveu a todas e de todos regenerou em tempo record, em meia dúzia de anos a mancha florestal retomava o antigo porte e vigor. Agora , os oportunistas políticos , talvez néscios e ignorantes do que seja a mata e o seu comportamento, transformaram a  recuperação num tacho crónico que os partidos políticos utilizam para satisfazer clientelas e para ganhar importância mesmo com patrimônio alheio como é o caso da Mata do Buçaco , um património nacional onde o Estado não investe um tostão que seja porque entregou essa responsabilidade ao cidadão munícipe da Mealhada. E só um exemplo para mostrar o anacrônico sistema. Eu e muitos vizinhos temos de passar numa rua da urbe  com 300 metros entre muros sem qualquer defesa ou proteção e sem uma margem pedonal onde possamos caminhar com alguma segurança.Desviamo-nos das viaturas ligeiras e pesadas quando se cruzam na estrada passando a escassos centímetros do cidadão a toda a velocidade.  A Câmara da Mealhada não tem dinheiro para construir uma passagem pedonal, mas tem centenas de milhões de euros para gastar na Mata Nacional do Buçaco que não lhe pertence. É a única Câmara deste país onde o estranho fenômeno acontece pois ninguém quis tamanha responsabilidade, a exceção é este grupo de “Chicos” da política , a autarquia e os seus  autarcas gastam no que é dos outros "roubando" recursos aos municipes para gastar no património alheio ? Terão esse direito ? Não haverá gente nos manicômios por ideias melhores? Não lhes quero chamar "grunhos" como faz Pacheco Pereira em relação aos rapazinhos da bola, mas Chicos é o termo, aportuguesando as coisas.

Não fosse uma providência cautelar interposta pelo concessionário do hotel e as cautelas demonstradas pelo coronel em Aveiro e mais uma desgraça era despejada pela própria  câmara sobre o concelho e a freguesia do Luso, frequesia que francamente já não sabemos se faz parte do território municipal ou não , tão abandonada está pelo orgão municipal que não tem feito outra coisa senão juntar á destruição da  Mata Nacional á destruição das Termas do Luso, sem demonstrar qualquer capacidade, estratégia ou interesse na sua defesa. o Executivo camarário é um orgão morto , uma espécie de mordomia á antiga portuguesa para organizar umas festas , folguedos, foguetórios. Sem ideias, sem criatividade, sem racionalidade e sem democracia.

E a  maior tragédia  reside no facto de eu estar a falar verdade. Antes tudo fosse uma mentira   engendrada pela minha pessoa á procura de algum provento ou galão, mas não, eu não  procuro nada pessoalmente, tudo isto é a realidade dos dias de hoje , as Termas morreram, na outrora freguesia que proporciona mais empregos hoje não há um ganha pão sequer para os seus filhos. Não os meus, esses já tiveram de abandonar o país para sobreviver, mas para os filhos e netos de quem ainda vive e luta pela sobrevivência. Por isso não me inibo de dizer que temos um executivo camarário que não presta, não tem capacidade nem conhecimentos para gerir o concelho, apesar de pequeno e com algumas potencialidades que devem ser identificados, pensadas,  estudadas e desenvolvidas. Sem pensar em votos e tachos , mas com nobreza de princípios e honestidade de meios, Isso, na minha modesta opinião , não existe hoje no município. Muito do 25 de Abril não se cumpriu e se o cidadão não repensar o chão que pisa na busca dum futuro diferente, mais equitativo, mais solidário e livre, não sai deste cais de lama.E devemos fixar nas nossas mentes que os políticos estão ao nosso serviço, não somos nós que estamos ao serviço deles. Sem cidadão não há políticos.

Finalmente quanto ao Palace Hotel, louve-se o bom senso da proteção civil distrital bem como o sentido da responsabilidade demonstrada pelo concessionário Alexandre Almeida que com uma providência cautelar evitou o fecho da unidade hoteleira. Teve o respeito, a dignidade e  sentido do dever que a autarquia não teve , ao optar pelo despejo como se as pessoas fossem cães e os seus filhos  cadelas, sem levar em consideração a vida dos seus munícipes nem as dificuldades que , uma vez fechada a unidade hoteleira, terá em reabrir percorrendo a via sacra  de burocracias  que um monumento nacional tem que percorrer para voltar a abrir ao público. Com um caminho destes aberto a golpes de mão, podem os munícipes estar certos que o precipício não demora. SE houvesse alguma seriedade e vergonha nestes comedores de partidos renegociavam com  o Estado a entrega do património , pois é a esse Estado e não aos municipes da Mealhada que cabe pagar o pato.  

Se fosse num país PAÍS  o presidente demitia-se , nem o poder central nem o cidadão local lhe dava mais hipoteses . A solução seria demitir-se, não só pelos actos em si mas por mentir negando o que assinou à Assembleia Municipal, sem qualquer respeito pelo cidadão eleitor e perante  o silencio ruidoso duma maioria que não abriu a boca.  Convenhamos que em politica não vale tudo, os sobas africanos acabaram e as oposições devem ser claramente informadas dos actos que o poder pratica. Inclusivamente , como diz a lei, informando sobre o que faz  á verba anual de cerca de 400 milhões de euros que recebe das àguas do Luso ou de qualquer outro orgão onde  a câmara tem interesses. Faço votos para que ninguém se  aleije um dia  por coisas como estas que venham a terreiro de algum modo. 

Aqui , neste rincão  de sol ocidental onde se pede a  um"inocente" o favor de ir para a prisão pelo seu pé  para   cumprir uma pena avalizada por doze juízes, isso não acontece, não existem demissões. Por isso eu peço perdão por escrever tanta verdade e  digo ao cidadão para abrir os olhos , sobretudo os novos não se deixem embalar nesta teia de mentiras. É preciso pensar mais e construir cidadania em cada um de nós. 

(nota: as fotografias são dum Buçaco antigo, nada tem a ver com o actual)

 

10
Nov18

O HOTEL DO BUÇACO VAI FECHAR ?

Peter

hotel  orange.jpg

Assim com caiu a negra noite sobre as Termas , cai agora a mesma

praga sobre  o Buçaco com extenção ao hotel. A câmara quer fechar

o Palace Hotel do Buçaco , uma obra imprescindivel para coroar

os êxitos dos autarcas lá de baixo  que terão naturalmente segundas

intenções no secretismo da sua democracia.Temos pois no palco

do municipio os inimigos publicos  a quem o osso duro de reconstruir

o pavilhão do lago que deixaram cair , manifestado nos impróprios

comentários  do chefe da edilidade quase duplicando os preços

que vai pagar com o dinheiro termal  que sai do Luso , é dificil de roer.

Na sinagoga de jeitos onde se vive,  a politica é para algumas 

pessoas o que as pessoas são para a política e o resultado é o

andar para trás em que vive esta terra. Porque há quem o deseje

e milite por aí , quem não saiba o que faz e nem o queira saber,

quem não sabe o que somos porque nem é do território,quem 

dedique o orçamento comum a festas para ganhar eleições  e 

controlar o rebanho.

 

 

 

 

 

 

 

24
Ago18

O BUÇACO NO MUNDO

Peter

DSCN5105.JPG

Porta das lapas, uma entrada maltratada....

Em recente noticia  de jornal oriunda da fundação Buçaco diz 

o presidente daquele orgão de teclas que  está a pôr o Buçaco

no mapa com 280 mil turistas. Faltou dizer se conta os turistas

da  freguesia e as crianças das escolas ou se são os que

comem e dormem no local .

Além disso,  esta nova pretensão de colocar o Buçaco no

mapa tem o seu quê de ridiculo de quem não sabe

onde está ou o que tem a fazer.

Se alguém colocou ou aumentou o peso do Buçaco em todo

mundo foi um senhor chamado José Santos, um profissional

sério e competente , esse sim, colocou um Buçaco ,que já era

 conhecido, nos pincaros desse mundo do turismo através

duma política inteligente e  proficua com a comunicação social

e uma qualidade de serviços de primeira qualidade.

E com um amor que os actuais gestores estão muito longe

de ter  ao património local.

Qualquer comparação com esse Senhor Buçaco é pura

demagogia de quem a faz  , um pretensiosismo exacerbado

que não corresponde  a qualquer realidade. 

O Buçaco está nos roteiros turisticos há muito tempo, não é

preciso ninguém fora do templo vir ensinar os santos que já

cá estiveram, aqueles que realmente o fizeram por amor ao

património e não por amor ao dinheiro.

Afirmações simplesmente ridiculas!!!!!!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

VISITAS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D