Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

11
Jul22

O MURO E O CRIME DOS ACEIROS


Peter

encosta.jpg

Onde está o aceiro entre os eucaliptos privados e a Mata Nacional?

O MURO DA MATA  SEM DEFESA

e o CRIME   DA OMISSÃO DOS  ACEIROS

Na fotografia acima, batida na tarde de hoje pelas 18 horas, pode ver-se a encosta da serra do Bussaco na parte onde a Mata Nacional confina com propriedades exteriores ao muro da Cerca carmelita do seculo XVII. O muro da Cerca passa ao lado da casa branca que se vê à esquerda , antiga casa do mestre e alguns metros adiante sobe até à capela de  Caifaz, às Portas de Coimbra, ao refúgio de Santo Antão e finalmente  atinge a Cruz Alta nos seus 548 metros acima do nível do mar. A todo o comprimento  do muro, no seu lado exterior, corria um estradão desde a Porta da Cruz Alta até à Porta das Lapas, que numa parte era transitavel por viaturas todo-o-terreno, até às Portas de Coimbra, via coincidente com um  largo aceiro corta-fogos , uma primeira proteção á Mata Nacional. Onde está o aceiro de 15/20 metros? Onde está o muro ? Tudo coberto por combustivel que o total abandono e irresponsabilidade  permite. A fundação existe para proteger ou destruir a Mata Nacional?

muro2.jpg

Esta segunda imagem,batida no mesmo dia, mostra o mesmo aceiro na encosta contrária do Obelisco, voltada para o concelho de Mortágua. Por onde entra um carro de bombeiros ? Este  e pior ainda, é o estado caótico  em que a fundação e o Estado  protegem um bem  comum dos portugueses que lhes pagam para isto! Deprimente !

Como se pode constatar pelas imagens feitas hoje, quando o país está assolado por altas temperaturas e a floresta arde de norte a sul, não se vê o muro da Cerca carmelita e muito menos o aceiro de proteção. Toda a matéria combustível que se acumulou sobre a cerca e o aceiro, constitui hoje um excelente meio de propagação dum fogo que suba a serra através do mundo de eucaliptos que tomaram a encosta exterior  e se confundem  com ela. Empurrado pelo vento , não há bombeiros que o segurem, no entanto, o estado em que o Estado deixa o seu património, é este, enquanto nas televisões os responsáveis procuram culpar o cidadão que não limpa os seus terrenos. Não sei se estes perigos que existem por omissão, serão considerados crimes, mas até ao momento a imunidade tem beneficiado estes curiosos que andam de cargo em cargo, espécie de clientela que não  responde pelos atos  e menos pelos desacatos. 

muro.jpg

Neste pormenor na Cruz Alta  podemos observar à direita um naco do muro da Cerca, encolhido  ou escondido entre os pilriteiros de dentro e os de fora. No solo, dum lado e de outro,  são gigantescos montes de combustivel á espera da combustão. Quando este parque botânico arder, ninguém será responsavel?

 Quando uma tempestade deitou abaixo o cedro de S.José, o mais velhinho da Mata (1646 ) foi porque a gestão da fundação não se preocupou minimamente com o facto da espia de aço que o  vinha sustentando se ter partido. Partida , deixou de o segurar sobre a peanha onde assentava e o vento fez o resto. O cedro ficou nas tripas, responsabilidades, nenhumas. A cinco mil euros mês o negócio não  é mau! Outro caso foi o  quadro de Josepha de Óbitos (séc.XVII) arder dentro do convento numa noite de Natal. A má porta, o quadro assinado pela autora valia cem mil euros. Não estava protegido nem tinha seguro ativo. Assim é tratado o património nacional por curiosos compadres nomeados pelo partido, sem qualquer conhecimento ou preparação.  Outro tanto aconteceu com uma barragem agricola na base da serra , capaz de servir o regadio do vale da Vacariça e acudir a incêndios no perimetro florestal. O projecto foi aprovado pelo ministério da Agricultura, o regadio foi feito, mas a barragem, por zangas  entre a CCRD e o presidente da câmara, morreu em duas gavetas, a do ministério da agricultura em Coimbra e na gaveta cabralina da câmara da Mealhada. O edil , satisfeito, roeu as cascas.

rua.jpg

Rua nas portas de Sula, pormenor duma desgraça que vai até á Cruz Alta por todo o noroeste da Floresta. E não falamos no perimetros da serra, cuja desgraça é igual. É caso para dizer, Buçaco, quem te viu e quem te vê na mão de mercenários da treta !  Quanto não valiam Buçaco, as antigas burricadas ! Que falta fazem !

Toda esta gente , mais mordomia de paróquia que políticos, está imune às asneiras que faz . Será crime ou não será crime o facto consumado por  omissão dos responsáveis?  No caso dos choferes dos  ministros  sabemos que o não é, aqui, trata-se de  curiosos que não sabem a matéria, sobem apenas no tacho por interesse e compadrio.  Vergonhosamente, este bem de valor botânico incalculável que é o Buçaco, está nas mãos dum município incompetente, sem meios práticos, nem financeiros , nem técnicos , nem científicos para salvar a Mata Nacional. Um estado socrático fez esta operação , entregando a uma fundação dum pequeno município aquilo que ao Estado  pertence e o município, politicamente bronco e paroquiano, aceita os custos e as responsabilidades. Paga o cidadão municipal o património nacional. Espertos e oportunistas !!! Quando virem o Buçaco arder, esfregam as mãos de contentes com a sua incompetência ! E nada lhes acontece neste país às avessas.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub