Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

______BUÇACO______

TEXTOS ,SUBSÍDIOS, APOIO

08
Set08

CONVERSA DA TRETA

Peter

                                                                                                                    

       

  TRETAS            

 

       Hoje gostava de ter uma conversa politica com o senhor presidente da Câmara da Mealhada acerca da minha terra, o Luso. Peço desculpa aos leitores por esta deambulação particular mas hoje acordei com esta pregada na massa encefálica depois de ter passado os olhos por uma planta de arranjos no Largo do Casino que tem a coordenação do arquitecto Sidónio Pardal. É uma coisa doméstica. Perdoem-me.

    Não é um arquitecto qualquer, o Professor Sidónio Pardal, desenhou o Jardim da Cidade do Porto, é um arquitecto que admiro, duma educação esmerada e duma competência inquestionável e mexe nesta questão da remodelação da zona central do Luso há dois ou três pares de anos com um cuidado extremo e desejo de fazer bem.

    Porém, a questão que quero relembrar ao presidente da Câmara da Mealhada, se não tem nada a ver com a competência do arquitecto em questão, tem a ver com a obra em si, pois esta não é, nunca foi, nem nunca será a remodelação central de que o Luso precisa, nem aquela que há quatro anos, não posso precisar o mês, a Câmara combinou e encomendou ao Professor Sidónio Pardal. Tanto não é, senhor presidente da Câmara da Mealhada, que o primeiro estudo prévio do qual tenho uma fotocópia na minha mão, tirada do que foi apresentado na Câmara, englobava não só a fonte e a avenida, como o morro da Quinta do Alberto, e cá está, no estudo, uma estrada e um prédio em plena Quinta como propunha e explicou na altura o dito competente Professor.

   Então, lembro-me bem, surgiu o representante do dono do terreno (é um apenas) e ali também, por si, senhor Presidente da Câmara da Mealhada, foi-lhe dito que se entendessem em Lisboa de forma a encontrar um compromisso e uma solução, uma vez que estavam ambos na capital, onde o Professor Sidónio Pardal tem o seu gabinete. Deu-lhes praticamente luz verde para descascarem a batata da Quinta do Alberto.

   Posteriormente ao longo dos meses, fui-me apercebendo que algo não corria bem, pois o proprietário entrava em contacto comigo para tentar resolver o caso e apesar de toda a sua disponibilidade e abertura, nada se resolvia entre a lentidão e a burocracia camarárias e o gabinete referido. Por isso, além de várias reuniões que tive com ele, provoquei três ou quatro situações em que o senhor Presidente da Câmara esteve presente, a última também com a Junta de Turismo, no salão nobre, manifestando o senhor presidente da Câmara da Mealhada o seu aparente acordo e disponibilidade para resolver a situação, sempre na perspectiva da envolvência do morro.

     Afinal, politica da treta, pois hoje, face ao projecto que vi pregado num placard na Avenida Navarro numa manifestação de pouco civismo para com a população do Luso, pois devia ser explicado e não propagandeado como cartazes de cinema, só posso concluir que afinal o senhor presidente da Câmara da Mealhada deu ordem ao arquitecto Sidónio Pardal para reduzir o projecto àquilo que ali está, não resolvendo o crónico problema do Luso que é o morro da Quinta do Alberto e a zona central onde tudo está inserido, como no inicio estava perspectivado.

  O que levou o senhor presidente da Câmara da Mealhada a mudar de opinião? Falta de dinheiro? Falta de diálogo? Incompatibilidades? Mau comportamento do dono?

Politicamente o senhor presidente da Câmara da Mealhada devia responder, explicar ao Luso o que terá acontecido. Deveria dizer porque se prejudica mais uma vez a vila na sua vertente vital que é o turismo!

Não discuto a legitimidade que tem para o fazer em termos de Câmara, mas digo-lhe que fez mal, muito mal, digo-lhe frontalmente (fui sempre frontal, não sou pessoa de duas palavras) que a sua politica é péssima para o Luso. Nisto e noutras coisas essenciais, como o caso das Termas. E isto porque o senhor presidente da Câmara não tem vontade, nem ambição, nem visão politicas, para entender o hoje e o amanhã do nosso município. Muito menos do Luso e das termas. Se nem sequer a tem para um simples carnaval..! Se não quer fazer as coisas , o que está a fazer aí ?

    Voltando á zona central, senhor presidente da Câmara da Mealhada, devo lembrar-lhe que para executar arranjos tendencialmente pedonais no centro da vila do Luso, deve procurar uma solução para retirar o trânsito de pesados desse mesmo centro, senão sujeita-se a que os pesados carregados de toros de madeira ou outras mercadorias, lhe arrombem em pouco tempo as melhorias! Talvez dois ou três quilómetros de via entre a estrada de Penacova e o Pego mas isso, não consta que vá fazer. Nem noutro lado! Mas pode ser por ali, ia dizendo, pelas imediações da barragem da Direcção Regional da Agricultura da Beira Litoral que o senhor presidente esqueceu quando tudo mudou do laranja santaneiro para o seu desbotado cor-de-rosa, que se pode encontrar uma solução. Depois sim, todos os arranjos senhor presidente da Câmara da Mealhada! Estes e mais. Mas é precisa a estrada, um desvio. Esqueceu-se?

   Por sorte ou infortúnio o Luso acaba por pagar os investimentos que a Câmara faz. Quando acabou de pagar o Centro de Estágios já tinha dinheiro suficiente para pagar os arranjos da zona central. Também já recebeu dinheiro suficiente para ter uma iluminação condigna em toda a freguesia. (lembra-se da rua dos moinhos que ficou sem iluminação, não lembra … que labirintos freudianos levaram a Câmara da Mealhada àquela escuridão, senhor presidente, em contradição com outras terras, como a sua, por exemplo???) Também já recebeu o suficiente para fazer a piscina do parque de campismo que herdou do seu antecessor. E para mandar limpar o lago e comprar uns barcos novos? E para uma sala de Internet? E para comprar o cinema? E para um acesso digno ao campismo? E para requalificar a fonte do castanheiro?

   Deve reconhecer senhor presidente da Câmara da Mealhada, que a sua estratégia politica, neste caso particular do Luso, é no mínimo estranha, fruto de insondáveis complexos que levam a Câmara, mais uma, ao extremo de planear um campo de golf para um ruidoso entroncamento de comboios e quem sabe, um museu de locomotivas para a serra do Buçaco. Um mimo !!!!

   Ao contrário do seu antecessor que teve estratégia, abriu perspectivas, modernizou o concelho e lançou desafios, o senhor presidente da Câmara da Mealhada leva a sua acção politica ao paradoxo de amealhar dinheiro para fazer muita coisa e quem sabe se não vai acabar a fazer coisa nenhuma!!!!

   Com a amizade que lhe tenho, preferia o contrário.  

  Luso,Outubro,2007( in Jornal da Mealhada)

  

Mais sobre mim

foto do autor

VISITAS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D