Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017

DO LUSO AO BUÇACO

RSCN5113[1].JPG

Este buraco no muro é a principal entrada de peões dentro

da Mata Nacional do Buçaco  para quem vai do Luso.

Tem a duração de cinco anos e a fundação ou afundação

politica que toma conta deste património ainda não teve

dinheiro para compor esta porta. Este e muitos outros 

buracos existentes no mesmo muro que cerca o bosque

são obras da entrega dos bens do Estado a curiosos bem 

pagos pelos nossos bolsos de contribuintes...

RSCN5115[1].JPG

 Para ter uma ideia mais completa aqui está o mesmo

buraco visto pelo lado contrário, isto é, de quem desce por

um caminho abandonado pelo braço politico da Câmara da

Mealhada, a dita fundação ou talvez afundação.

RSCN5116[1].JPG

...e já agora muro e vereda na parte interior da Mata, antes da

mesma saída da Mata Nacional...o lixo faz parte do quotidiano

da paisagem, os caminhos são pedras ,raízes e buracos,

as escadas armadilhas...e ninguém imagina a gente que por

ali passa...

RSCN5112[1].JPG

Uma segunda entrada na Mata Nacional para quem vai do 

mesmo local, do Luso, é o velho Portão dos Passarinhos,

hoje mal identificado e fechado a cadeado para que os 

'selvagens' habitantes das termas do Luso não vão tirar

as árvores e a lenha que a fundação abate diariamente.

RSCN5111[1].JPG

Uma terceira porta , a Porta das Lapas, é a que vemos nesta

fotografia, em muito bom estado de conservação, sem portadas

sem vidros, sem janelas e de interior também excelente,

conforme a foto seguinte  que uma janela aberta por

esquecimento deixa  observar.

DSCN5107[1].JPG

 Como se vê qualidade indiscutivel, talvez a confirmar umas

declarações da Cãmara da Mealhada pela voz do seu 

presidente que resolveu  através duma entrevista despromover

o Luso e o Buçaco de  destino turistico . Não se sabe hoje o 

que são as termas ou a Mata nas mãos da autarquia,talvez

lixo no  entanto, segundo as contas  da mesma, entregou no

ano passado ao seu braço político, a Fundação, duzentos e

cinquenta mil euros. Como a transparência dessa politica

foi recentemente classificada em 48% de clareza, o destino

dessa verba terá ficado nos 52% de intransparência, tal

como os centavos litros de água que vão das águas do 

Luso. Não é matéria liquida se estas transferências de

dinheiros públicos  são legais, um dia se verá...

DSCN5094[1].JPG

Para terminar e porque fica perto da primeira entrada 

a partir das termas do Luso, deixo uma imagem  do teatro

avenida hoje, depois de cair sobre a plateia e alguns

antigos camarotes, mais um pedaço do telhado.

Sinceramente, não sei para que elegemos uns políticos

nesta freguesia e neste concelho que parece entrarem

e sairem calados do areopago municipal. Acho que lhes

pagamos alguma coisa para defesa da terra e discussão

dos seus problemas , mas nada!!

 

publicado por Peter às 21:38
link do post | comentar | favorito (1)
|
Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2014

ARDEU JOSEFA DE ÓBIDOS

 O quadro  do séc. XVII assinado e datado pela autora

  CURTO CIRCUITO (?)LEVA QUADRO

L á se foi num curto circuito o quadro de Josefa de Óbidos

existente no Convento do Buçaco. Datado e assinado

pela autora pergunta-se como pode estar meses e  meses

debaixo de telhas partidas à mercê da chuva e de curtos

circuitos  sem que os responsaveis nada tenham feito

para o pôr a salvo , depois de terem sido alertados

para o facto ? 

Se não é caso para admiração já que este é o tipo

de trabalho da Afundação, será que ninguém é responsabilizado

pela perda dum património comum, cuja valia não andaria longe

dos 100 mil euros?

Como aconteceu ao cedro de S.José que deixaram cair com quase

quatro séculos de vida depois de terem sido avisados do perigo

que corria, o mesmo sucede agora com a pintura da Senhora do Leite!

Um curto circuito porquê ? Não estava o recinto protegido contra 

curto circuitos como deve mandar a lei? E se não estava,

de quem é a responsabilidade?

A Mata Nacional, como é sabido, tem estado entregue á gestão

duma fundação política e sabemos o que os politicos tem feito

a este país e o que já fizeram à Mata Nacional do Buçaco.

O erro nasce de quem coloca a viola na mão de sapateiros,

mas tudo vai continuar na mesma.

Recentemente parece que foi nomeado mais um comissário

politico para aquele espaço. Tanto quanto é do conhecimento

publico não foi aberto nenhum concurso para a escolha dum

profissional competente e  reconhecido, o que seria o minimo

exigivel e democrático.  

Depreende-se que a Câmara da Mealhada continua a optar

por escolhas "A Doc" que abrem a porta a toda a espécie de

dúvidas por parte do cidadão.

De qualquer maneira, a fundação e a Câmara levarão a Mata

Nacional à total degradação.

É apenas uma questão de tempo.

  

publicado por Peter às 15:34
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Dezembro de 2012

BUÇACO

 

                    BOM NATAL        

publicado por Peter às 22:18
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 8 de Dezembro de 2012

PORTARIA

   

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

A velha Portaria da Mata, hoje em dia Portas de Coimbra,

começou a ser construída em 1830 pela comunidade

carmelita e era então principal acesso ao eremitério.

Ali residia em permanência o egresso porteiro encarregado 

de receber quem chegava, um lugar de relações públicas

destinado a proporcionar o primeiro contacto com os eventuais visitantes.

Era a chamada porta de fora, considerando a outra porta de entrada já no

sítio do Convento como uma porta de dentro.

Para os eremitas regrantes, tinha lógica esta distinção.

Daquele ponto, donde se continua a desfrutar de uma soberba paisagem

sobre a Bairrada, a Gândara, e o mar Atlântico, se alcançava a cidade de

Coimbra por um caminho que logo de inicio era íngreme para quem subia

e que ao contrário, descendo a serra pelo lugar que é hoje

Stª Cristina,se dirigia por Botão e Brasfemes para a cidade

do Mondego.Rio que nos confins da serra lhe faz limite, separando-a,

na célebre Livraria do Mondego, dos últimos contrafortes da Lousã.

Conserva o nome original da cidade que lhe foi berço, mãe e amparo

no estabelecimento do mosteiro.Em 1831 pelos monges e em 1866

pelo poder civil foi objecto de necessárias reparações.

Depois da extinção da Ordem em 1834 foi a pouco e pouco perdendo

a importância como porta principal de entrada na floresta e resta

hoje como miradouro privilegiado, uma varanda aberta um pouco 

abaixo da Cruz Alta, sobre o horizonte em redor.

 

                                                                                                                                                                                                                                        

A construção, como toda a obra carmelita é pobre e de traço simples,

decorada com as armas dos monges em pacientes embrechados de

quartzo e de basalto, dando á humildade da arquitectura ,uma beleza singela

e de natural pureza.Trata-se duma construção recortada no muro da Cerca

onde se inserem duas portas de passagem em arco separadas por um corpo

central que contem transcritas a picão, em duas lápides de pedra, duas bulas 

pontifícias.A primeira, do lado esquerdo e do ano de 1822, lembra na palavra

de Gregório XV a pena de excomunhão que pende sobre as mulheres

(bendita emancipação)que entrem nos ermitérios carmelitas, a segunda,

á direita é expressamente dirigida ao Convento do Bussaco pela mão não

menos pesada do papa UrbanoVIII que em 1643 estende a mesma pena a

quem,de forma abusiva, cortar árvores ou fizer danos na mata.

Mal comparado,bem se pode dizer que não é do presente o castigo dos

poderes sobre o cidadão, só que então,  um imposto que nos dilacerava

a alma chamado excomunhão , uma pena do foro espiritual de peso

variável, conforme a crença do virtual pagante, hoje um imposto que

nos arrasa a vida caindo sobre o corpo com a insolvência do país mas

o mesmo abuso de quem comanda as redeas.

Sobre o comprimento da estrutura que suporta estes elementos corre uma

cimalha de pedra donde se elevam três frontões em semicírculo rematados

por cruzes e separados por quatro colunas de cantaria. Na parte inferior um

comprido banco de pedra serve o descanso de quem espera.

As duas portas em arco encontram-se hoje dotadas de portões de madeira,

mas a da esquerda,considerado o terreiro de fora, era uma porta tapada

a parede de alvenaria, sobre qual parede se abria outra pequena porta em

arco que dava acesso a visitantes. Por ali se entrava, segundo os relatos

existentes, para um pequeno recinto que servia de sala de espera a quem

aguardava autorização. Desta pequena sala se abria então para o lado

de dentro uma outra porta sobre a qual acima de dois ossos postos em cruz

se podia ler a seguinte quadra

.Ó tu mortal, que me vês,

Reflete bem comoestou;

Eu já fui o que tu és,

E tu serás o que eu sou. 

A esta simples quadra que se destinava a alertar os “incautos” para a

difícil e temerosa tarefa que os aguardava dentro ou fora, juntam alguns

autores,entre eles Forjaz de Sampaio em Memórias do Bussaco,

um outro textode maior arroubo  e força que vou deixar aqui

transcrito da obra referenciada:



                                                                                    

Em solitária morada,

Onde a humana voz não soa,

Onde o terreno povoa

Matta de escura ramada,

Feia caveira mirrada

O acaso encontrar me fez;

Cresce o susto, a timidez

Quando ella me diz e grita

-Um pouco pára e medita

Ó tu mortal, que me vês!

 

 

“Imóvel então ficando,

Sem querer lhe obedeci;

E com violência senti

O coração palpitando;

De todo os olhos fechando

Frio suor me banhou,

Ella de novo clamou

-Não feches teus olhos, não;

Presta-me mais atenção

Reflete bem como estou.

 

“com secco tronco me abraço,

Mal podendo respirar

Porque sentia apertar

Da garganta o curto espaço.

Não sei que estranho embaraço

Immoveis torna meus pés,

Falla-me terceira vez,

Ó desengano fatal!

-Eu também fui racional;

Eu já fui o que tu és.

 

“Eu vendo já de tão perto

Ali o retrato meu,

Os olhos levanto ao céo

Bem dizendo este deserto,

Diz-me então:-D’este decreto

O Deus que tudo creou,

Nenhum mortal isemptou,

Nem condição, nem idade;

Ou mais cedo ou mais tarde

Tu será o que eu sou.

 

publicado por Peter às 15:36
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Novembro de 2012

PINTADO À MÃO

 

Reproduz-se aqui a imagem dum velho postal que

tem a particularidade, relativa ao seu próprio tempo ,

de ser pintado á mão.

Mas sempre belo e fotogénico!

publicado por Peter às 00:29
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

CINE TEATRO AVENIDA

 

 

Foi nas vésperas do Natal que arranjei um espaço da tarde para ir ao cinema ao centro comercial, pouco há de fitas noutros locais deste país arregimentado sobre o monopólio político da união europeia e o monopólio cinematográfico de Hollywood. Noutros tempos ainda restava alguma liberdade de escolha e alguma identidade própria a esta boa gente da Lusitânia, para o fazer, hoje está tudo hipotecado, quer em ideias quer em obras, quer em dinheiro, a um mundo que é estranho ao nosso cerne mais intimo, coisa que também não se percebe muito bem o que seja.
Eram seis da tarde, comprei o bilhete junto com umas pipocas importadas na febre do consumismo desesperado onde vegeta o mundo e entrei numa das muitas salas, aquela onde se ia projectar a fita. Um paralelepípedo, mais ângulo menos ângulo, com um anfiteatro e umas escadas por onde subir. A meio do percurso estava sentada uma irmã religiosa com um hábito que me pareceu azul, ao lado duma senhora civil, digamos assim para abreviar a questão, únicas clientes preparadas para presenciar a sessão.
É normal, já tenho estado sozinho e sinto-me mal, ás vezes desisto mesmo por falta daquele ambiente acolhedor que tinham as velhas salas do Teatro Avenida, do Tivoli, do Sousa Bastos, no caso de Coimbra, mas retenho perfeitamente o S. Jorge, o Tivoli, o Monumental , o Politeama, o Restelo , entre outros, na Lisboa da década de sessenta e quando a ida ao cinema se fazia com encanto e uma certa cerimónia. Então na reciprocidade duma agradável companhia, era das coisas máximas que podiam acontecer.
Quando subi os degraus a irmã sorriu-me e cumprimentou-me, eu respondi ao seu aceno e sentei-me três ou quatro filas atrás. No silêncio que antecedia a obra atirei-me ao pacote das pipocas e substitui-o, a ele silêncio, pelo mastigar de roedor, mas entretanto entrou outra senhora, não irmã, não vestia hábito ou costume, e foi sentar-se umas filas atrás de mim. Éramos quatro á espera do início da sessão distribuídos em três grupos, admitindo, ainda que erradamente, cada espaça fazer um grupo. Estava portanto no grupo do meio, o das pipocas. Ou dos roedores.
Ora aconteceu que a sessão começou e esteve seguramente um quarto de hora sem haver imagens. Bem pregavam os anunciadores dos produtos que nos entravam no ouvido, mas imagens nada. Arrumei as pipocas no banco do lado, comentei com a irmã que algo estava errado e fui á bilheteira pedir que colocassem os bonecos, ao menos no filme, já que agora estamos sujeitos a meia hora de anúncios com a curiosidade de pagarmos para os ver ainda que não queiramos, como acontece comigo.
Cinco minutos depois, alguém situado no vazio do outro lado dos buracos da projecção, colocou a geringonça digital a funcionar e começou o filme. Tratava-se, como dizia o critico que me levou lá, dum belo filme francês, Dos Homens e dos Deuses, uma história equilibrada entre guerra e paz, vencedor do festival de Cannes, afinal uma excepção á regra  do monopolismo estado unidense da exibição em Portugal. No título e no guião, uma comunidade monacal do alto Atlas, a justificar a presença da religiosa que me cumprimentou tão simpaticamente. 
Voltei satisfeito por ter ido ver o que devia ser visto, ver o que me agradou, mas logo que cheguei á minha pacata vila, cada vez mais pobre , patética e pacata e dei de caras com o cinema que existiu noutros tempos e hoje é uma ruína, fiquei saudoso e  deveras desagradado com a entidade que o comprou, a câmara municipal, que o fez em nossa representação, isto é, com o nosso dinheiro e não deu um passo ainda pela sua reconstrução. Não deu nem vai dar, porque segundo me apercebo não consta do plano de actividades do ano que vai entrar uma verba senão para ter aberta a rubrica, um euro, um faz de conta que já conheço de ginjeira, já estamos habituados a ele, apesar da nossa terra proporcionar ao município uma receita anual de noventa a cem mil contos de mão beijada, uma importância de águas que câmaras anteriores conseguiram obter mas que a minha terra viu, e vê, por um óculo. Estranhamente, não se escuta um grito de protesto pela voz dos eleitos locais. É fácil perceber porquê.
Um edil da terra, ao contrário do que eu pensava, não adianta nada e assim, para dizer ámen e embatucar na importância não faz falta nenhuma. Sempre pensei e até manifestei em publico o pensamento de que era necessário, como continuo a pensar, que sempre seria melhor que nada, ter na autarquia um bom representante. A coisa não é bem assim, um yes man não faz falta em lado nenhum e nesta matéria o Luso é um muro de Jerusalém sem lamentações!
Passei com estes raciocínios pelo velho Teatro Avenida da minha infância tal qual como passo ás vezes pelo verão que enchia de fitas as semanas e os sábados de bailes. O cinema do Luso não tem história porque ninguém a escreveu, ninguém teve a curiosidade de guardar uns papeis velhos nas gavetas do tempo para lha construir, mas tem-na igual ou maior que muitas outras casas de província e como muitas estâncias termais, no tempo em que as termas se faziam e funcionavam com a dimensão das pequenas cidades em que se transformavam os lugares. Bem diferente dos tempos actuais que correm propícios á destruição e ao roubo e se baseiam na irresponsabilidade absoluta.
Por ali passou o grande Alves da Cunha, o grande António Silva, a grande Maria Matos.
A Maria Matos que esteve para levar para o Parque Mayer o meu segundo primo, o Álvaro, um grande artista cómico das revistas locais que a encantou em duas ou três rábulas de representação. Seu pai e meu tio-avô Ernesto, não permitiram a transferência e assim se fez gorar a oportunidade, para ele, filho, de vir a ser um artista nacional.
Se tivesse história escrita, este cinema, modesto em comodidades mas com uma arquitectura comum a muitas outras salas pelo país, seria grande na dimensão da minha terra, pois por ali passaram muitas das encenações locais que se fizeram durante dezenas de anos, até á altura em que a televisão destruiu implacavelmente o associativismo e a vida social de então.
Hoje há quem me peça para escrever sobre a sala de espectáculos. Estou muito longe de ser um José Hermano Saraiva, mas estes pedidos denunciam de facto que não há ninguém que defenda o património das termas, que os eleitos não estão á altura dos acontecimentos, que os problemas não são discutidos e muito menos resolvidos.
Que não há na vila uma sala para cinema, para teatro, para ensaios, para reuniões, para congressos! É verdade. Também lamento que ainda há pouco tempo um congresso sobre a Batalha do Bussaco fosse feito no teatro vizinho. Mas lamento igualmente que levem o pouco património existente, como livros, peças de mobiliário, medalhas e outras coisas mais que são parte da nossa essência, da nossa matriz, da nossa alma, para os arquivos da Mealhada. Um povo sem alma é o pior que há. Como lamento os disparates que se fazem no trânsito, a insensibilidade para os problemas do estacionamento, a vergonhosa situação da avenida do Castanheiro, a leviandade com que se deixam reduzir as termas a um terço do que eram, matando-as. A irresponsabilidade com que se ajudam a destruir as unidades hoteleiras em vez de as ajudar a viver, e o amadorismo curioso com que é tratada em família a Mata do Buçaco.
Mas que fazem os eleitos locais pela defesa da minha e nossa terra??? E quem foi que os lá colocou ?
Quem me pede para escrever, pergunte-lhes. Há que exercer esse direito de cidadania, igual para todos, como o acto de votar. Por mim, estou farto de escrever! Hei-de ser sempre o mau da fita???
Luso, Dezembro,2010                                            Buçaco.blogs.sapo.pt

publicado por Peter às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. DO LUSO AO BUÇACO

. ARDEU JOSEFA DE ÓBIDOS

. BUÇACO

. PORTARIA

. PINTADO À MÃO

. CINE TEATRO AVENIDA

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. ♥ Lay all your love on me...

.links

.as minhas fotos

.VISITAS

blogs SAPO

.subscrever feeds