Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

VIA SACRA DO BUÇACO

 

 

  

A Via-sacra do Buçaco é a herança e testemunho da Ordem dos Carmelitas Descalços e do seu Deserto, o único que existiu em Portugal.

 

 

   Se bem que referências antigas indiciem a existência de símbolos místicos na Cruz Alta como a existência duma cruz de madeira é, com a instalação dos carmelitas a partir de 1628 que se constrói o espólio religioso que hoje subsiste.
   De Bussaco, Buzaco ou Buzacco, a primeira noticia encontrada parece ser uma doação do lugar de Gondelim feita por Gundezindo e outros ao Mosteiro de Lorvão, no ano de 919 , que diz…cum suas ualles que discurrunt de monte buzaco (Portugalie Monumenta Histórica,vol 1, pág.14) .
 Em 974, num testamento transcrito da mesma obra, lê-se…inter uimeneirola et barriolo ripa ribulo uaKariza suptus mons buzaco…
 Também no ano de 1002 se pode ler…in loco predicto uaccariza subtus monte nuncupato buzacco…
 A estas referências mais antigas e tendo a ver com o ermitério, junte-se o comentário do cronista Frei João do Sacramento referindo a Cruz Alta, ser…um pico ou cume de sorte elevado que descobre, e é descoberto de grande parte do reino…
.                                                                                                                                                       
 
                                                    
          figuras de António vasconcelos e Sousa-Séc.XVIII-Museu Machado castro-Coimbra
.
 Se dos primeiros documentos se presume o mais antigo conhecimento da serra do Buçaco, pelo menos como ponto de referência identificativo na região centro, do segundo, a Crónica dos Carmelitas, se deduz a abrangência geográfica da paisagem, e a mitologia, quer religiosa quer profana que eventualmente sugeria, deserto e árvores, ambiente de qualidade, como se diria hoje, mitos tão do agrado e da regra da ordem de santo Elias.
   Construções simples de cabouqueiros de Deus, mas que poderiam ser de Sula ou do Cerquedo em sintonia com o Convento, cavadas nos rochedos, nos socalcos, nos abismos ou na vegetação autóctone, atestam a humildade do cenóbio e o espírito de pobreza absoluta iniciada pela reforma do espanhol João da Cruz na década de 1560, companheiro de Teresa d’Avila num espaço tempo de monges e de freiras a trabalhar virtudes da garantia do céu.
                                                                                                                                                                   
 
                  
                    Na casa de Pilatos-Rafael Bordalo Pinheiro-Museu José Malhoa,Caldas da Rainha
.
   Nesta via, a via-sacra começou a ser construída a partir de 1644 pelo Reitor da Universidade de Coimbra, Manuel Saldanha, como pode ler-se na lápide existente na ermida de S. José junto ao cedro do mesmo nome, o mais antigo da floresta. No início, além do rasgar dos caminhos íngremes com três quilómetros de percurso, cada estação era assinalada por uma cruz de madeira do Brasil e um pequeno dístico identificativo do passo respectivo. São vinte as estações representadas, as seis primeiras chamadas Passos da Prisão, as restantes propriamente da Paixão. Manuel Saldanha, bispo e reitor de Coimbra, no final da Via Crucis, mandou edificar uma torre circular acastelada perto da capela do Sepulcro, uma vigia.
    Cabe depois, na década de 90 do mesmo século, ao Bispo e também reitor João de Melo, a edificação de capelas e da ermida do Calvário, no complexo final da obra, constituído também pelas capelas da descida da Cruz, da Crucificação, da Ressurreição e do Sepulcro. São construções rectangulares adornadas exteriormente com embrenhados de pequenos mosaicos brancos e pretos nas esquinas, com uma porta frontal com visibilidade para o interior. Os telhados de quatro vertentes terminam em cúpula pontiaguda e uma cruz de pedra em cada topo.
   Nos inícios do século XVIII, o também bispo conimbricense António Vasconcelos e Sousa substitui as pinturas murais que ornamentavam as capelas, por figuras barrocas modeladas em barro cozido e policromo, possivelmente fabricadas por desconhecidos santaneiros da região de Aveiro, figuras que foram posteriormente destruídas pela má consciência de romeiros, ao ponto de em 1888, quando do inicio da construção do palácio do Buçaco pouco ou nada restar delas. È que depois de 1834, após a extinção das ordens religiosas, o património do Buçaco passou por períodos de extrema libertinagem e grande degradação, destacando-se a filantrópica destruição de imagens das capelas por católicos devotos.
Pinheiro Chagas, relata assim uma curiosa anedota a propósito da capela de Caifaz :  “os católicos fiéis, que outrora visitavam as capelinhas da Via-sacra, não diziam aos façanhudos judeus que rodeavam o Cristo: Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem revertis, mas diziam-lhes: Lembrem-se, patifes, que são de barro e que nós temos pedras nas mãos. Ora desta versão libérrima resultou que em todas as capelinhas existe um Cristo mais ou menos deteriorado por alguma pedrada que apanhou por tabela, mas ainda assim campeando triunfalmente no meio dum montão de cacos israelitas, o que sucede á chamada capela de Caifaz e, se por acaso o velho sacerdote ainda por lá existe, está por certo reduzido a muito menos de cinquenta por cento
                                                                                                                                                                  
                               
 
                    
                                                figuração actual, Costa Mota, Sobrinho, 1938
.
   Desta degradação tomou nota em 1874, o deputado ás cortes Mariano de Carvalho com uma proposta pedindo a reposição de novos grupos escultóricos na via-sacra do Buçaco. Coube ao Conselheiro Emídio Navarro contratar e adjudicar a obra no ano de 1887 ao ceramista Rafael Bordalo Pinheiro, então director da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, obra que se ficou pelo fabrico de cinquenta e cinco figuras correspondentes aos últimos dias da vida de Cristo e que não chegaram a ser aplicadas no Buçaco. Algumas fazem hoje parte do espólio do museu José Malhoa na cidade onde foram fabricadas, testemunhando o valor artístico da sua concepção e mostrando que foi pena que o resto, bem como a sua aplicação, ficasse no cesto da impossibilidade.
   Finalmente e para colmatar este processo quase centenário, já no século XX, o Conselho Nacional do Turismo em nova tentativa de recuperar a via-sacra, entregou ao ceramista António Augusto da Costa Motta, Sobrinho, a execução das esculturas. Foi a partir de 1938 que começaram a nascer no seu atelier em Lisboa, na Rua Damasceno Monteiro, as imagens que haveriam de constituir os grupos escultóricos em terracota que ainda hoje perduram apesar dos maus-tratos que entretanto têm sofrido.
   São essas figuras em tamanho natural representando com algum chocante realismo os Passos da Paixão de Cristo as que hoje se podem visitar a partir da chamada Varanda de Pilatos, por catorze estações da Paixão de Cristo, algumas recuperadas outras não, mas são, a par do mosteiro, das ermidas, das portas, das fontes e do vegetal, um património de incalculável valor na região centro do país.
Mais recentemente , em pleno pós salazarismo, a Mata Nacional do Buçaco foi sucessivamente emagrecendo em orçamentos , cuidados e pessoal o que levou a um estado de degradação bem patente por todo o espólio da Cerca.
   Foram desactivadas as estufas , as casas dos guardas em permanência , pouco estimados os jardins e as capelas e ermidas abandonadas á degradação permanente , não só através das condições climatéricas como de estragos perpectados livremente sobre os bens.
                                                                                                                              
                                   
                        Via Sacra-Percursos-Pormenores                                                                                               
           Inúmeros  reparos têm sido afectuados pelas autoridades locais sem no entanto até ao momento haver respostas por parte dos poderes respectivos, até porque a Mata Nacional, mercê da diversidade do seu espólio botânico, religioso, militar, cultural, passa pela mão pesada de muitos proprietários (ou ministérios )o que torna ainda mais dificil qualquer intervenção no local.
     Entre os meses de Outubro de 1998 e Abril de 2.000 houve uma intervenção qualificada feita pela Arterestauro -Pintura e Escultura , Ldª , sobre as primeiras nove capelas do grupo da Paixão, ou seja sobre o Passo do Pretório , da Cruz ás Costas,da Primeira Queda,do Encontro com a Virgem,do Cireneu,da Verónica,da Segunda Queda,das Filhas de Jerusalem e da Terceira Queda, cujo trabalho incluiu recolha dos elementos fracturados, selecção por tipologias de texturas, cor do barro espessura e formato de fragmentos e montagem e fixação dos mesmos, para lá da limpeza e recuperação das capelas , de modo geral todas elas muito degradadas.
 As nove capelas intervencionadas são constituidas por grupos escultóricos em terracota seguindo a técnica de tacelos vazados de tamanho natural, excepção feita ao Passo da Segunda Queda construido com argamassa maçica com estruturas interiores de metal , situação que resultará dum restauro posterior.
 Todos os restantes grupos foram modelados por Costa Mota Sobrinho e Simões Almeida Sobrinho entre os anos de 1938,1939 , encontrando-se o Passo do Pretório assinado e datado por Costa Mota, Sobrinho,1939.
    Já em pleno século XXI, aguarda-se uma nova intervenção sobre todo o espaço, intervenção repetidamente prometida por vários governos e hoje liderada pela Universidade de Aveiro de modo a dar ao Buçaco o lugar que deve ter no contexto do nosso turismo , arte, ciência e cultura.
    O passo seguinte, o da sua classificação como Património da Humanidade é o 21º Passo , a seguir aos da Paixão,que também urge dar sem hesitações para colocar o Buçaco no lugar certo que os portugueses tem direito e os apaixonados , devoção.Ferraz da Silva,2007/08
 
sinto-me:
publicado por Peter às 23:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 25 de Novembro de 2007

BATALHA DO BUSSACO

 

             

  

Batalha do Bussaco

Uma interpretação

 

“Durante o Inverno suportei noites terríveis na Alemanha e na Polónia, mas esta, em que deixamos a posição do Bussaco é uma das piores épocas da minha vida que mais terrivelmente me afectou.

      A retirada lenta e penosa do nosso exército, ocupado a transportar os numerosos feridos em padiolas, oferecia o aspecto tenebroso duma longa fila de carros fúnebres. O silêncio morno da obscuridade era cortada pelo ruído surdo e lúgubre das carroças da artilharia. Os infelizes soldados esforçavam-se em vão para sufocar a expressão dos seus sentimentos; os gritos lancinantes de dor, dificilmente contidos a golpes de coragem, escapavam de quando em quando do fundo das suas entranhas e faziam trespassar de compaixão o coração menos sensível. Os cadáveres dos que, aliviados pela morte terminavam os suplícios no meio desta marcha aflitiva, ficavam na beira do caminho servindo de pista, através da escuridão, aos perseguidores.

     Os gritos agudos das aves de rapina que, fugindo dos seus refúgios precediam o avanço acompanhando audaciosamente o exército na cobiça eminente, acrescentavam ainda qualquer coisa de mais sinistro a esta cena

.

      Tradução livre do relato escrito pelo oficial francês M. Guingret, comandante de batalhão e testemunha ocular dos factos, pode situar-se na noite de 28 para 29 de Setembro de 1810 e geograficamente no percurso da passagem que Massena acabara por descobrir entre Mortágua e Boialvo, um buraco na cordilheira esquecido  pelas forças defensoras e para lá do previsível campo de batalha. Contornando os cumes do Buçaco nessa noite espessa e dramática para moribundos soldados, chegaria com o romper da madrugada á zona de Avelãs e á estrada real entre Coimbra e Porto, que a atravessava.

     Massena, o intrépido marechal que o imperador apelidava de filho querido da vitória retirava assim estrategicamente das suas posições atacantes no Buçaco após o malogro de 27 e tentava, torneando a serra pelo norte, apanhar de surpresa em campo aberto e pela retaguarda as forças anglo-lusas, reduzindo a batalha nos seus papeis a pouco mais que escaramuças de reconhecimento.

    Havia saído de Viseu, uma cidade abandonada e deserta, a 21 do mesmo mês, dirigindo-se com os três corpos de exército que o acompanhavam pela margem direita do Mondego por Santa Comba Dão e Mortágua, empurrando as forças avançadas anglo lusas num constante movimento de recuo. Na tarde do dia 25 começam a chegar as primeiras colunas aos montes que circundam o Buçaco.

    Para quem vem do rio Criz a serra, ao entardecer, apresenta-se de frente e tem o aspecto levemente ondulante dum comprido dorso em declive nos topos sugerindo uma altitude que efectivamente não passa dos 547 metros no seu ponto mais alto a Cruz Alta. À esquerda, rasga-se estreito o rio Mondego entre as escarpas da chamada livraria, á direita e num alongado rebaixar da linha dos cumes, estendem-se os montes mais baixos até ás faldas do Caramulo que recomeçam s subir mais adiante até para lá dos seus mil metros de altitude.

  Pelo Buçaco se transitava então entre Coimbra e Viseu por três estradas vindas de Mortágua. A que, por Moura e Sula contornava a cerca conventual dos Carmelitas, descendo depois á Mealhada, a que subindo pelo colo de Santo António do Cântaro demandava a cidade por Botão e por Eiras e uma terceira, em muito mau estado que, obliquando para a esquerda por Carvalho, vencia a serra na Portela de Oliveira e descia pelo Dianteiro para Coimbra.

  Nestas cumeadas extremamente propicias a uma atitude defensiva decidiu Wellington fazer frente ao exército francês estendendo os anglo - lusos ao longo do cume da serra, recolhido atrás de fragas e precipícios na expectativa do ataque do inimigo.

   Ao seu dispor tinha cerca de 60.000 mil homens, cerca de metade constituído pelo corpo expedicionário inglês nas suas casacas vermelhas, outra metade inexperientes recrutas lusitanos disciplinados pelo braço forte de Beresford que, como o Conde de Lipe em 1762 tentava reorganizar a nossa periclitante força militar habituada a debandar ao som dos primeiros fumos.

   Na noite de 26, Massena á frente dos seus soldados, muitos deles veteranos da guerra no seio europeu, farto das péssimas condições das estradas do reino, impaciente por uma breve chegada a Lisboa e pelo fim duma campanha para a qual fora quase empurrado pelo imperador, enervado pelas hesitações e controvérsias dos seus mais credenciados generais cujo entendimento foi sempre difícil na península, longe das planícies onde punha em campo as suas tácticas favoritas, perante um adversário de fracas credenciais entrincheirado no alto da montanha, talvez menosprezando o número, a disciplina e sobretudo as condições vantajosas que o terreno oferecia aos defensores resolve, contra o parecer de alguns dos seus oficiais, lançar o ataque na manhã seguinte, ignorando os conselhos mais prudentes que optavam por um reconhecimento exaustivo e por uma melhor avaliação do terreno e situação

                                                                            

                    

                      museu militar Buçaco                                          

Às seis horas da manhã do dia 27, tentando beneficiar do leve nevoeiro que é comum pelo sopé da montanha nesta época do ano, manda iniciar o assalto.

  Do 2º corpo comandando por Reynier a partir do lugar de Santo António do Cântaro, sobem em colunas compactas as divisões de Merle e Heudelet, um pouco distanciadas devidas á desorientação provocada pelo nevoeiro que sobe a par com eles e facilmente atingem o cume. Ofegantes e extenuados, são apanhados de surpresa pela fuzilaria das defesas postadas em linha, que o acidentado do terreno e a dobra abrupta dos cumes não permitia observar. Varridos dura e violentamente, avançam numa segunda linha que é igualmente enfrentada com coragem e determinação. É o 8 de infantaria no seu baptismo de fogo, o regimento 88 do tenente-coronel Wallace, o 45 do tenente-coronel Meed. Os franceses hesitam perante o inesperado choque e imediatamente refeitos voltam á carga mais á direita com a brigada Foy. Opõe-se-lhe a infantaria 9 e 21 do comando do coronel Champalimaud e a divisão inglesa Leith que aguentando o embate com heroísmo lança corajosamente uma carga de baioneta sobre o inimigo, entretanto varrido nos flancos por peças de artilharia.

   Desorganizados, os franceses retrocedem serra abaixo entre gritos e impropérios, protegidos pelo resto da divisão Heudelet postada mais á retaguarda.

   Não há notícia duma perseguida imediata mas sim do retomar rápido das posições defensivas e o 2º corpo de Reynier, deixando inúmeras baixas no terreno vai reagrupar-se em Santo António nos posicionamentos iniciais.

Aqui aguardará o desenrolar do combate na outra frente, sobre a aldeia de Sula na estrada que, atravessando a portela junto ao famoso Moinho de Sula desce na direcção do Luso e da estrada Lisboa Porto.

    Ali, é o 6º corpo de Ney. Os ataques não são simultâneos. Deste lado a acção desenrola-se mais tarde. Marchand, pela estrada real ,vai subindo a coberto de curvas e taludes e a brigada Simon, ambos da célebre divisão Loison, a quem compete o ataque, ocupa Sula e algumas cotas superiores. São recebidos por uma chuva de metralha seguida de cargas á baioneta pela divisão inglesa Crawford, regimentos 43,52,95 e pelas brigadas portuguesas do comando de Pack e Coleman. O general brigadeiro Simon é aprisionado, enquanto os soldados, em grande desorientação batem em retirada e o audacioso marechal Ney “ bravo dos bravos” manda voltar, como Reynier na esquerda, ás posições iniciais.

   O 8º corpo do comando de Junot não chega a sair da posição de reserva que ocupa no lugar da Lourinha e a artilharia pouco ou nada pode fazer em terreno tão acidentado.

  Inesperadamente, como depois se veio a verificar, tudo terá acabado neste primeiro assalto. Angustiados, os aliados esperam, vindo das vertentes íngremes ,o génio de Massena num assalto que verdadeiramente temem, enquanto o lado francês, apercebendo-se rapidamente das dificuldades da empresa e o fracasso evidente da primeira tentativa, aguarda decisões do seu estado maior.

  Dum e doutro lado há um interregno de expectativa, uma trégua espontânea que acaba por explodir em alívio, alegria e ruidosas manifestação de vitória quando os aliados compreendem com o passar das horas que por este dia o resultado está feito a seu favor.

   Entre os 65.000 homens que se estimam para o exército francês há cerca de 4.500 mortos. Massena reconhece com prudência 3.000 entre mortos e feridos e calcula ele próprio 4.000 para os aliados. Wellington faz por sua vez uma descrição pormenorizada das suas baixas em combate atribuindo 630 mortos ao corpo expedicionário inglês e 622 aos portugueses, num total de 1.252  

 Não tem grande relevãncia estes números, auqlauer beligerante  exagera as suas forças antes dos combates  e erduz ao extremo possivel as perdas depois deles , mas não andaremos longe da verdade estimando 4.500 baixas entre os franceses e metade entre os anglo lusos.

.

                                

                           Batalha-Moinho de Sula  e Wellington( azulejos-Palace Hotel do Buçaco )      

Duas a três horas terá demorado o desenrolar da batalha que por volta das onze horas da manhã se resumia a esporádicas trocas de tiros entre brigadas ligeiras nos limites dos contendores.

   Durante o resto do dia e o dia 28, Massena, que desconhece a existência das Linhas de Torres, reunindo o seu estado maior opta por reconhecimentos massivos do terreno e encontra finalmente através de várias sortidas do general Moutbrun e do coronel Saint Criox, uma abertura na serra pelo seu flanco direito enquanto Wellington, postado nas alturas da sua barreira defensiva a comemorar o êxito, é ultrapassado pelos acontecimentos, ignorando, por inexplicável falta de informações, que o marechal francês, num movimento brusco e silencioso, manobra táctica a coberto da noite de 28 para 29, se escapa com a retaguarda, o 8º corpo de Junot, pela passagem de Boialvo, ocupando pela manhã do dia seguinte a região de Avelãs e levando a pouca distância os corpos de Ney e Reynier.

  Só perto da meia-noite o duque de Wellington se apercebe deste movimento e, entre confuso e receoso dá ordens para uma retirada rápida descendo a serra pelo flanco sul em direcção ao rio Mondego em Coimbra.

   Na precipitação ficam armas, munições e diverso material. A 29 de manhã a serra do Buçaco está despovoada e os últimos regimentos anglo lusos descem em direcção a Coimbra. Um batalhão inglês de cavalaria é o que fica em observação e no dia 30 de madrugada vão-se embora as últimas sentinelas inglesas para no dia 1 de Outubro chegar ao convento carmelita um piquete francês. O resto dos invasores espalha-se pela Mealhada, Vacariça, Botão e Eiras, numa acção de rapina concertada.

  Estupefacta e horrorizada a população da cidade de Coimbra ainda a apagar as fogueiras com que acabavam de comemorar a vitória, observa a passagem desnorteada dos seus heróis de anteontem, acossados já pela vanguarda francesa, a cavalaria de Montbrun que vai matando á cutilada alguns mais atrasados. A cidade passa bruscamente da euforia de vencedores para o temor dos vencidos, sobretudo quando chegam as primeiras notícias das atrocidades cometidas pela soldadesca na vizinha freguesia de Eiras já ás portas da urbe. De facto, a 1 de Outubro os invasores penetram na cidade enquanto metade dos habitantes a abandonam. Apesar de todas as tentativas de Massena para pôr ordem nas suas fileiras, a pilhagem é generalizada.

   Por outro lado Wellington, pressionado constantemente, acelera numa corrida louca e desordenada em direcção ás Linhas de Torres, conjunto de fortificações que havia mandado construir para defender Lisboa, segundo uns, para assegurar uma retirada marítima eficaz e segura ás suas tropas caso as coisas corressem mal, segundo outros.

  Travam-se escaramuças em Condeixa, na Redinha, em Alenquer, cada vez que a frente francesa apanha a retaguarda aliada, entretanto acompanhada e empurrada por uma multidão de povo em mísero estado que, abandonando as suas casas, gados e haveres, foge e coabita entre uns e outros atolados nas lamas dos caminhos, pois entretanto começara a chover copiosamente

                                                                                                                                                            

          

                               Batalha do Buçaco-Azulejo de Jorge Colaço-Palace Hotel

Esta marcha acelerada terminaria finalmente nas fortificações. O duque reúne todas as forças disponíveis e vai entrincheirar-se nas famosas Linhas, barreira que se mostrará inexpugnável para um exército francês cansado e desmoralizado. Massena não consegue reforços de Napoleão e com os 60.000 homens que lhe restam reconhece não ser possível transpor a barreira aliada onde se juntam entre portugueses, ingleses e espanhóis, para cima de cem mil homens.  Costuma dar-se relevo á participação do povo nas revoluções nativas. Temos presente a crise de 1383/85, a restauração em 1640, recentemente o 25 de Abril, movimentos ligados a convulsões a partir do tecido urbano em que as populações aderem como força de massas atrás de factos, como meios de pressão ou viveiros das mais variadas intenções aproveitadas ou não,  atribuindo-se-lhes depois virtudes e características consoante as perspectivas face aos resultados alcançados. Porém, este povo, quer urbano quer rural que viveu a época das invasões francesas foi elemento activo, participante valoroso, a quem se pediu tudo e nada se deu senão a fome, a miséria, o sofrimento, a morte.

  Quando o príncipe regente, futuro D. João VI deixa o reino em 1807, levando na bagagem o sonho da paz no  Brasil, transportando medo e jóias o ouro e a loucura duma rainha mãe, é ao povo de Lisboa patético e órfão, que deixa a incumbência de receber Junot.  Este, á frente dum exército extenuado vencido pelos caminhos do vale do Tejo, corre apressado ao cais na ilusória esperança de aprisionar o rei. Não chega a tempo. A história justifica os monarcas, a politica justifica as atitudes, o povo miserável, sofredor, vassalo obediente e cego irá suportar o jugo do invasor e, paradoxo, correr com ele quando for oportuno para entregar ao rei de novo, a o ceptro e a coroa. É o mesmo que se precipita do Douro á frente do exército de Soult e perece na ponte das barcas perante o espanto e ajuda dos próprios inimigos, o mesmo que é obrigado a abandonar casa e haveres, aldeias e cidades quando um inglês, Arthur Wellesley o ordena perante um reino sem rei nem roque, sem exército, sem chefes, sem dinheiro, sem motivações sem vontade e sem destino.

  Espalha-se nos montes, segue como maltrapilho as colunas militares, esconde-se nos desfiladeiros, é roubado, espoliado, violado. Por ingleses, por franceses, pelos próprios compatriotas em gritos de sobrevivência. Saqueiam-lhe as igrejas, os castelos, os palácios, os miseráveis tugúrios. Os testemunhos das atrocidades atribuem-nos indistintamente a uns e a outros, mas graças a este povo sem rei, que assume manifesta vontade de sacudir o domínio alheio é que se deve em parte o sucesso inglês. Acolhe e ajuda um Beresford que mais tarde será o alvo do seu desprezo e ódio e chama o rei comodamente instalado no Rio de Janeiro para voltar á coroa.Ferraz da Silva

Bibliografia:Boletim da 2ª Classe-Academia de Ciências de Lisboa,1910

A Batalha do Buçaco-Augusto Simões de castro,Coimbra Imp.Universidade,1953

A Guerra Peninsular- Pinheiro Chagas, Lucas e Filhos, Lisboa,1972

Considerações Estratégicas e Táticas Bat. Bussao Brito Limpo, Imp. Nacional, Lisboa, 1887

História de Portugal-Oliveira marques-Ed.Agora, 1972

História de Portugal-Oliveira Martins-Guimarães, Lisboa, 1972

A batalha do Buçaco-Região Militar Centro-Coimbra, 1953

Dicionário história Portugal-Joel Serrão,Iniciativas Editorias, Lisboa,1971

A Batalha do Buçaco-Alberto Araújo e Silva-Coimbra, 1953

 

  

sinto-me:
publicado por Peter às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CRUZ ALTA

. RIO DA MULA

. DO LUSO AO BUÇACO

. ALICE

. DIA DAS FLORESTAS

. ÁLCACER QUIBIR

. O BUÇACO

. BUÇACO VERSUS SINTRA

. DESTRUIÇÃO DO BUÇACO

. BOLA DE FOGO NO BUÇACO

. EXPOSIÇÃO ESTIVAL

. RAMPA DO BUSSACO

. ROMARIA DA ASCENÇÃO

. CERCO DE BADAJOZ

. AURORA

. PORTA DO TELEGRAFO

. PORTA DE SULA

. ESTÁ TUDO GROSSO...

. BTL-LUSO-BUÇACO

. CRUZ ALTA

. L'EFFETTO SERRA

. PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE ...

. A SENHORA CRISTAS

. SUBI LENTO À CRUZ...

. DESFILE

. CRUZ ALTA DO BUSSACO

. 205ANOS BAT BUSSACO

. BUÇACO ESQUECIDO

. TJOLOHOLMS SLOTT

. A BATALHA E O CONVENTO

. SUBIACO

. 1904-POSTAL

. SEGUNDA-FEIRA

. CAPELAS EM RISCO

. AQUI COMEÇA A VIA

. O PORTÃO DOS PASSARINHOS

. PORTA DO LUSO

. SERPA MACHADO

. PAUL GAUGUIN

. REGALEIRA-SINTRA

. AINDA A SENHORA DO LEITE

. SENHORA DO LEITE

. VALE DOS FETOS

. SUA EXCELÊNCIA

. FRUTOS DA ÉPOCA

. LUSO

. A SAGA DO BUÇACO

. SACO BUS...

. ETIMOLOGIA DE BUÇACO

. ERMIDA DA ASSUNÇÃO

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. ♥ Lay all your love on me...

.links

.as minhas fotos

.VISITAS

blogs SAPO

.subscrever feeds